Polêmica em comunidade faz padre fechar igreja em Itapoã, Vila Velha-ES

Polêmica em comunidade faz padre fechar igreja em Itapoã

02/02/2010 - 00h00 ( - A Gazeta)


Frederico Goulart


fgoulart@redegazeta.com.br
                                             
                                    foto: Gildo Loyola - GZ
                                            


   
Um telefonema anônimo questionando a sexualidade do padre Hiller Stefanon Sezini, que há três anos está à frente da comunidade católica Sagrado Coração de Jesus - pertencente à Paróquia São Francisco de Assis, em Itapoã, Vila Velha - terminou em grande polêmica. Revoltado, o padre teria trancado o Sacrário, pequeno cofre onde ficam as hóstias, impedindo a realização de missas no sábado e no domingo.


A confusão ocorreu na última quarta-feira. Após a missa do dia, Sezini convocou uma reunião para discutir o assunto com a comunidade. O padre teria chamado a atenção de todos. Segundo um dos membros da paróquia presentes na missa, que preferiu não se identificar, o religioso gritou e pronunciou palavrões em pleno altar, enquanto batia com as mãos no púlpito.


"Ele disse ter nojo da paróquia, ameaçou não voltar mais ali e ainda desafiou que os presentes reclamassem com o Papa", disse. Ainda segundo o membro da paróquia, no fim do episódio, o padre teria carregado o cálice com o sacramento e trancado no sacrário, impedindo a realização das missas. "Apenas a missa do domingo de manhã foi realizada, e por outro padre", diz a testemunha.


Após o episódio, integrantes da comunidade enviaram e-mails à Arquidiocese de Vitória e, ontem de manhã, quatro representantes do grupo foram pessoalmente conversar com um auxiliar do arcebispo Dom Luiz Mancilha Vilela para pedir providências.


De acordo com a assessoria da Arquidiocese, o arcebispo esteve ontem pela manhã com o padre para resolver a situação. Hiller Sezini reconheceu ter falado palavras desnecessárias. Em nota oficial, o padre pediu desculpas à comunidade. Ele vai continuar à frente da comunidade.


Procurado por A GAZETA ontem, o religioso informou que tudo o que havia para dizer estava na nota divulgada pela Arquidiocese.


Padre reconhece "palavras desnecessárias"

Por meio de nota divulgada pela assessoria da Arquidiocese de Vitória, o padre Hiller Stefanon Sezini confirmou ter recebido um telefonema anônimo que o deixou "profundamente ofendido". Perante o fato, dirigiu-se às lideranças da comunidade Sagrado Coração de Jesus, após a missa, e reconheceu ter falado "palavras desnecessárias". "Por isso ele pede desculpas à comunidade e avisa que todos os serviços continuam a acontecer normalmente", diz a nota.


Perfil do padre


Nome:Hiller Stefanon Sezini


Data de Nascimento:14/02/1977


Local de Ordenação:Paróquia Nossa Senhora da Conceição - Alfredo Chaves - ES


Data de Ordenação:07/06/2003


Paróquia > São Francisco de Assis (Vila Velha)


Comunidades: A Paróquia São Francisco de Assis possui 5 comunidades, pelas quais o padre também é responsável, entre elas, a Comunidade do Sagrado Coração de Jesus, em Itapoã


Tempo de atuação: Desde o dia 02/02/2007


Estudos: Filosofia e Teologia, pelo Instituto de Filosofia e Teologia da Arquidiocese de Vitória e mestrado (em curso) em Direito Canônico - Instituto Superior de Direito Canônico do Rio de Janeiro.




Igreja Católica é contra a prática homossexual


A Igreja Católica, segundo teólogos entrevistados, permite que os homossexuais assumidos sejam ordenados padres, desde que respeitem o celibato. O que é proibido, assim como no casos dos homens heterossexuais, é que essas pessoas tenham práticas sexuais.


"De um modo geral, e não apenas com os padres, a posição da Igreja Católica é de que as pessoas devem ser respeitadas, sem que haja discriminação", explica o teólogo e professor de filosofia Vitor Nunes Rosa. Ele esclarece que, em todos os seus documentos a Igreja respeita e acolhe os homossexuais, mas condena toda a prática.


O também Teólogo e professor de Ciências na Religião, Edebrande Cavalieri, esclarece que essa posição da Igreja está prevista no direito Canônico. "Porém deve ser respeitada a lei disciplinar do celibato", diz.


Moral


A sexualidade, no contexto da moral católica, é justificada, apenas, para a procriação e para a realização humana - limitada ao âmbito do casamento, por isso o adultério também é condenado. "Por isso, a prática da homossexualidade é condenada. Ela não leva a procriação e nem a realização do casal - já quem é contra a natureza humana e não obedece a complementaridade dos sexos", diz Vítor Rosa. Segundo o teólogo, todas as outras Igrejas cristãs históricas mantém o mesmo principio de condenação às praticas homossexuais.


Papa quer que padres usem mais a internet


Se depender do Papa Bento XVI - que é conhecido por não amar os computadores e a internet - nos próximos anos os padres deverão acompanhar as mudanças tecnológicas da internet. Ele reconheceu que os padres devem aproveitar ao máximo o "rico menu de opções" oferecido pelas novas tecnologias.


"Os padres são assim desafiados a proclamar o evangelho empregando as últimas gerações de recursos audiovisuais - imagens, vídeos, atributos animados, blogs, sites - que juntamente com os meios tradicionais podem abrir novas visões para o diálogo, evangelização e catequização", disse ele, em sua mensagem para a Igreja Católica no Dia Mundial da Comunicação, no último dia 23 de janeiro.


Jovens


De acordo com o Papa, os padres precisam responder aos desafios das "mudanças culturais de hoje" se quiserem chegar aos mais jovens. Mas ele alertou que os padres não devem se tornar estrelas da nova mídia. "Os padres no mundo das comunicações digitais devem ser mais chamativos pelos seus corações religiosos do que por seus talentos comunicativos".


No ano passado um novo site do Vaticano, www.pope2you.net, foi lançado, oferecendo um novo aplicativo chamado "O Papa se encontra com você no Facebook", e outro permitindo acesso às mensagens nos iPhones ou iPods dos fiéis.