Não deixe seu filho crescer rápido demais


A criança precisa saber que existe hora para tudo

25/11/2011 - 19h07 - Atualizado em 25/11/2011 - 19h07 no Gazetaonline


foto: Fábio Vicentini
Edelza Stanzani Moreira e sua filha Ana Clara, 13 anos. Edelza só deixa a filha fazer programas mais tranquilos. Balada nem pensar- Editoria: Vida - Foto: Fábio Vicentini
Edelza Stanzani Moreira gosta de conhecer os amigos e os lugares frequentados pela filha  Ana Clara, 13 anos
Daniella Zanottidzanotti@redegazeta.com.br


Diversão para muitas crianças e pré-adolescentes hoje não é só brincar na casa do amigo, ver um filme ou passar uma tarde na sorveteria. Eles se interessam cada vez mais cedo por programas de "adulto": querem ficar fora de casa até tarde e sair para lugares que não são adequados à idade. E antes que ele se torne um miniadulto, é importante fazê-lo entender que tem hora para tudo.


Para evitar que o filho pule etapas e cresça rápido demais, é preciso que os pais entrem em ação, acompanhem as atividades dele e incentive-o a brincar de forma saudável e de acordo com a sua faixa etária.


Fazer programas e atividades do universo da criança ou do adolescente, estimular a convivência com amiguinhos da mesma faixa etária e passeios adequados para a idade ajudam a criar uma consciência temporal neles, de que tudo é uma fase.


"Leve seu filho à praia, solte pipa, vá ao cinema, faça um acampanhamento dentro de casa com os coleguinhas dele, ou seja, curta a fase e cresça junto com ele", aconselha a psicóloga Eneida von Eckhardt.


A companhia de outras crianças também deve ser estimulada. Por isso, evite ambientes muito adultos. Se não há mais crianças na família, leve seu filho a lugares em que ele possa conviver com outros pequenos.


No caso de pais de adolescentes, as baladas devem ser monitoradas. Limite um horário para o filho voltar para casa, mesmo que ele justifique que todos os amigos vão ficar até o final da festa.


Pais presentes
Nessa fase adolescente, o acompanhamento dos pais deve ser redobrado, com muita conversa. Eles devem conhecer as companhias dos filhos e ficar atentos ao que ele faz mesmo quando estão em casa. Televisão, computador e internet devem ser monitorados de perto, tanto o tempo de exposição quanto o conteúdo.



A dentista Edelza Stanzani Moreira não deixa a filha Ana Clara, de 13 anos, sair para qualquer lugar. "Preciso saber para onde e com quem ela sai. Tudo tem seu tempo e a idade certa. Minha filha é muito tranquila, mas faço questão de acompanhar de perto", conta a mãe. 

Sem exagero



A forma de educar os filhos depende do universo de cada família, mas os pais também não podem ser radicais no controle.


"Cada situação é única, pois as pessoas e as famílias são singulares. Os pais também devem reconhecer e lidar com sua angústia, e não usá-la para deixar seus filhos agarrados a si", diz a psicóloga Eneida von Eckhardt.

Os limites devem respeitar a idade
O que fazer quando o filho pré-adolescente quer fazer programas que não correspondem a sua idade, como ir ao show de rock ou conhecer a nova boate da cidade?



Para a psicóloga Eneida von Eckhardt, os pais precisam colocar limites. "Diga que não é da idade dele e estabeleça limites. Os pais, em geral, estão muito permissivos, deixando que os filhos se exponham a situações às quais não estão preparados", afirma.


A especialista também lembra que "autoridade é diferente de autoritarismo". Por isso, o diálogo é fundamental.


"Escute o filho o mais abertamente possível, encare os argumentos, dialogue com sabedoria, faça acordos respeitáveis, mostre como ele pode estar sendo envolvido por modismos", diz a especialista.


Além disso, os pais precisam se autoavaliar, para ver se, de alguma forma, estão estimulando a precocidade do filho.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por visitar meu blog!