A história do rico e do mendigo Lázaro

Possuo o livro do pastor Ciro Sanches "ERROS QUE OS PREGADORES DEVEM EVITAR"  e nele há uma narrativa de uma divertida parábola acerca de um pregador que acreditava manejar bem a Palavra de Deus...Um dia desses postei aqui no meu blog um texto semelhante que conta um fato criativo e engraçado sobre o pregador caipira.


Um dia desses, estava eu numa igreja, quando ouvi o pregador usando o texto em Lucas, capitulo 7, onde conta sobre a ressurreição do filho da viúva de Naim. Comentando sobre o fato bíblico, sem citar nada sobre a ressurrreição de Lázaro, o pregador então falou que naquele momento Jesus olhou e disse: "Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá". Sem contar que ele ainda citou um versiculo que se encontra em Efésios e disse que está em Gálatas...

Daí, então, resolvi também criar uma história faccitia partindo da parábola do rico e o mendigo Lázaro. Vejam como ficou. Espero que gostem!


Um pouco da vida e convivência do rico com Lázaro

Irmãos, havia um certo mendigo, chamado Lázaro, que jazia cheio de feridas à beira do caminho, e alimentava-se de gafanhotos e mel silvestre e desejava encher seu estômago com as bolotas que os porcos comiam. Um dia ele avistou uma figueira brava e, correndo adiante, subiu nela procurando fruto, não o achando, chorou amargamente, e posto em agonia, disse: "Nunca mais nasça fruto de ti". E a figueira secou imediatamente. E chegando-se para ele, um certo homem que tinha uma figueira plantada na sua vinha, e vendo-o, moveu-se de intima compaixão e disse-lhe: "Desce depressa". E apressando-se, desceu, dizendo: "Te vi eu estando tu debaixo da figueira". Foi então que um levita chegou àquele lugar e, aproximando-se deles, disse ao homem: "Cuida dele, e tudo o que demais gastardes eu te pagarei quando voltar" Logo o homem perguntou ao mendigo: "Que queres que te faça?" E o mendigo respondeu: "Amigo, empresta-me três pães". E ele lhe disse: "O que tenho, isto te dou". E deu a ele cinco pães e dois peixes. E aquele homem cuidou do mendigo quarenta dias e quarenta noites e foi-lhe imputado isto por justiça.

Um dia, o mendigo levantou-se do seu leito e foi passear no terraço da casa e viu a mulher daquele homem tomando banho. Então ela pegou-lhe pelas suas vestes e disse para ele deitar-se com ela. Então ele disse: "Mulher, que tenho eu contigo? Ainda não é chegada a minha hora". E perto da meia noite, quando aquele homem saiu com sua aljava e seu arco ao campo para apanhar uma caça a fim de fazer um guisado gostoso, o mendigo fingiu-se de doente e pediu que a mulher preparasse uma massa e fizesse dois bolos diante dele para comer. Ele pediu que ela colocasse um pouco de fermento, pois ele dizia que um pouco de fermento leveda toda a massa. Assim o mendigo foi consolado depois da morte da sua mãe. Depois ele virou o seu rosto para a parede e orou ao Senhor. E chorou o mendigo muitíssimo. E foi-lhe dado mais quinze anos de vida.

No outro dia, o homem foi ao quarto onde o mendigo estava e disse-lhe: "Lázaro, saia para fora". Ele tremendo e atônito, disse: "Que é necessário que eu faça para me salvar?" E o homem lhe disse: "Vai trabalhar hoje na minha vinha".E era sábado naquele dia. No primeiro dia da semana, os dois subiram ao templo, a orar e assim o mendigo teve seus pecados perdoados setenta vezes sete. E estando eles no templo, viram uma pobre viúva da cidade chamada de Naim lançar ali duas pequenas moedas como oferta pelo filho lunático que havia morrido e depois ressuscitado quando já estava no caixão na hora de ser sepultado. Ao saírem do templo, os dois seguiram pelo caminho de Emaús e uma anjo apareceu àquele mendigo, dizendo: "Sai da tua terra, da tua parentela". E o seu amigo rico, ouvindo essas palavras, caiu e expirou. Então no outro dia, Lázaro partiu para fora da terra por muito tempo. Ele foi para uma terra remota, afim de tomar para si um reino e voltar depois.

E sucedeu-se que no caminho, saiu-lhe ao encontro dez leprosos, vindo dos sepulcros e eram tão ferozes que ninguém podia passar naquele caminho, e eles param de longe. E ele lhe disse: "Paz seja convosco". Mas eles gritaram com grande voz, e expulsando-o da cidade, o apedrejavam. Depois disto, uma certa mulher por nome, Marta o recebeu em sua casa. Então ele lhe disse: "Hoje, veio salvação a esta casa, e o que tens preparado, para quem será?" Mas ela andava distraída com os serviços, e sua competidora a irritava excessivamente para a embravecer. Então Marta fez uma ceia para Lázaro e colocou sobre a mesa e depois ungiu os pés dele e enxugou-os com seus cabelos. E dois dias depois, partiu dali e foi para a Galileia. No caminho, caiu em pedregais, e um anjo disse-lhe: "Levanta-te, e entra na cidade, e lá te será dito o que te convém fazer".

Chegando na Galileia, achou que um navio ia para Társis, e o mendigo Lázaro pagou pois sua passagem e desceu para dentro dele fugindo e ali dormiu. E lá dentro uma víbora lhe pegou na mão e ele a sacudiu e não lhe aconteceu nada. E deu uma tempestade que incomodou a navegação. O  navio encalhou e a popa se abria por causa das forças das ondas. O navio foi destruído e todos chegam salvos à terra, uns em tábuas e outros em coisas do navio. E aconteceu que o mendigo morreu e foi levado pelos anjos para o seio de Abraão. Mas chegou um homem e disse: "Lázaro, nosso amigo, dorme e vou despertá-lo do sono." E, chegando-se, tocou no esquife, e disse: "Desperta, tu que dormes, e lavanta-te dentre os mortos". E levantou-se e foi a casa dos irmãos do rico que havia morrido para dar-lhes testemunho a fim de eles não irem para o lugar de tormento.Amem.

Bom, como  já sabem, essa é uma história faccitia. Mas tem acontecido pelas igrejas fatos semelhantes e devemos prestar atenção em muitos pregadores que tem surgido em nossas igrejas. Muito pensam saberem manejar bem a palavra de Deus, mas nao sabem. Portanto, vamos tomar cuidado!