Padres e pastores condenam proposta prevista em projeto de lei sobre diversidade sexual

As propostas previstas no projeto de lei sobre diversidade sexual foram condenadas por pastores e padres.

O pastor Enoque de Castro Pereira, que é diretor do Fórum Político Evangélico do Estado e presidente geral da Associação de Pastores Evangélicos da Grande Vitória, por exemplo, entende que esse projeto fere os princípios de liberdade de quem é contra essa união.

"Eu creio que você não pode discriminar qualquer pessoa, seja negro, índio, magro, cordo, homossexual, mas não podemos concordar com um projeto de lei que prevê até prisão para quem não concorda com a união homossexual. Ai entra a ditadura gay. Isso é polêmico e iremos nos mobilizar"

Para Ely Brunck Silveira, pastor da Igreja Assembléia de Deus Desafios, é preciso repensar os valores e exaltar a família. "Como teremos uma sociedade forte se os valores irrevogáveis da família estão sendo desconsiderados? Onde estão os defensores instituidos por nós para defender esta célula que gera equilíbrio entre as pessoas? O que vão fazer com a Bíblia, sendo que tanto igeja católica como evangélica a utilizam e Ela condena severamente a união de pessoas do mesmo sexo".

E completou: "Liberdade, todos nós já temos por direito para fazer nossas escolhas. O que não podemos é aceitar que uma minoria da sociedade faça a maioria se curvar aos seus interesses, e ainda por força de lei, e não podemos esuqecer que um dia todos iremos comparecer diante de deus e prestar contas de todas as nossas atitudes e até de cada palavra dita."

Para o padre Roberto Camillato, reeitor do Santuário- Basílica de santo antônio, o projeto de lei é um absurdo. "Na convicção da Igreja, com todos os respeitos que se tem as leis, casamento tem
haver com a união de duas pessoas: homem e mulher".

Ao falar sobre prisão para atos discriminatórios, ele disse: "O respeito deve se impor para todas as classes sociais e todas as opções sem exclusão e discriminação, pois o respeito em gesto, atitudes e em comportamento deve ser recíproco, ou seja,a igualdade, a justiça, a dignidade são para todos, sem precisar de leis absurdas que levem a punições."

OPINIÕES

"Isso é inaceitável. Condenamos a prática sexual fora dos princípios bíblicos. E o principio da familia, como fica? Isso vai criar uma guerra no Brasil", disse Oséias de Moura, 2° vice-presidente da Convenção das Assembléias de Deus no Estado do Espírito santo.

"A relação de duas pessoas do mesmo sexo, sem o objetivo de procriação, não está em harmonia coma doutrina da igreja. Igreja ama o pecador, mas abomina o pecado", disse Adeilson Schmidt, padre e reeitor de seminário.

"A Igreja é a favor dos direitos humanos. O gay tem os direitos inerentes ao cidadão. O problema é que confundem casamento civil com religioso. O sacramento é para o homem e mulher", disse Edemar Endringer, padre e doutor em sociologia.

Parte da Reportagem Especial do Jornal A Tribuna (Vitória-ES), 25 de Agosto de 2011

Pesquisa revela que numero de católicos no Brasil diminuiu

Folheando o Jornal A Tribuna (Vitória-ES), do dia 24 de Agosto, me deparei com o seguinte título: "Número de católicos no País é o menor em 140 anos". O dado foi divulgado no dia 23 pela Fundação Vetúlio Vargas e faz parte do Novo Mapa das Religiões.

Segundo o Jornal, a má notícia para a comunidade católica veio na semana em que o Rio de Janeiro foi confirmado como sede da próxima Jornada Mundial da Juventude - um encontro que terá a presença do Papa Bento XVI, em Julho de 2013.

O Jornal ainda diz que, embora continue maioria, a população católica chegou a 68,43% do total dos brasileiros, o equivalente a 130 milhões de pessoas. Pela primeira vez a proporção foi menor de 70%.

A pesquisa divulgada pela FGV também apontou a estagnação da proporção de evangélicos pentecostais (de igrejas como Assembléia de Deus e Universal do Reino de Deus, entre outras), que teve grande crescimento no s anos de 1990. A Pesquisa também revela que houve aumento de evangélicos tradicionais (batistas, presbiterianos e luteranos, entre outros). Porém cresceu também o número dos que se dizem sem religião.

No período de seis anos entre duas Pesquisa de Orçametos familiares, a proporção de católicos caiu 7,3%, passando então de 73,79% para 68,43%. E  a queda mais acentuada é do público jovens e adolescentes (de 10 a 19 anos), o público alvo do encontro de 2013 que acontecerá no Rio de Janeiro.

A proporção de jovens católicos no Brasil caiu 9%, passando de 74,13% para 67,48%. O professor Marcelo Neri, que coordenou o trabalho, fez comparações dos censos desde 1872 até 2000, atualizando com informações das Pesquisas de Orçamentos Familiares de 2003 e de 2009. Ele associa os avançoes ecomômicos do país na última década ao aumento dos evangélicos tradicionais, que teve crescimento de 38,5%, passando de 5,39% para 7,47%, enquanto os pentecostais cresceram pouco, passando de 12,49% em 2003 para12,76% em 2009.

Aqui no Estado do Espírito Santo, o número de católicos é de 57,4%. Já os evangélicos pentecostais são 15,09%, um número que quase se iguala as outras igrejas evangélicas juntas, que é de 15,06%. Os sem religião são de 10.08%. Os espiritualista são 0,72%. A religião Afro-brasileira tem 0,05%.

"Vitória é a capital com mais evangélicos", destaca ainda o Jornal A Tribuna, divulgando o ranking das capitais publicado pela Fundação Getúlio Vargas. Vitória aparece em primeiro lugar com 18,13% de evangélicos. Em segundo vem Rio Branco com 14,63%, e em terceiro lugar Campo Grande com 13,71% de evangélicos. Manau aparece em quarto lugar com 13,23%, Porto velho com 12,79%, Recife com 12,55%, Salvador com 11,54%, Rio de Janeiro com 11,50%, Goiânia com11,41%, João pessoa com11,03%, Belo Horizonte, em 11° lugar com 10,47%, Floriánopolis com 9,81%, Boa Vista com 9,51%, Aracaju com 9,23%, e em 15° e último lugar com 8,92% de evangélicos.

O Espírito Santo é o Estado com maior número de evangélicos tradicionais (batistas, presbiterianos, lueranos, entre outros) com 15,09% de fiéis.

O Estado com maior participação de evangélicos pentecostais (de igrejas como Assembleia de Deus, e Universal do Reino de Deus, entre outras), é o Acre, com 24,18%.

Vitória é a capital com mais evangélicos no País, com 18,13%. No Estado do Rio de Janeiro o número de religiões espíritas é de 3,37%, e afrobrasileiras é de 1,61%.

O presidente da Associação de Pastores Evangélicos da Grande Vitória - APEGV, pastor Enoque de Castro Pereira, acredita que o crescimento do número de evangélicos na Grande Vitória deve-se à chegada de jovens às igrejas. "Os jovens estão sendo atraídos paras as igrejas evangélicas. Temos muitos louvores atraentes e encontros de jovens, que fazem parte de um trabalho grande para atrair cada vez mais esse público. Recebemos esses dados com muita alegria, mas não é surpresa, é resultado do nosso trabalho."

Para o pastor, o crescimento das igrejas evangélicas deve continuar no Brasil. "Acredito que nos próximos 10 anos teremos uma proporção de 50% de evangélicos no Brasil", salientou o pastor.

ARCEBISPO NAO COMENTA 

 A acessoria de imprensa da Arquidiocese de Vitória foi procurada para falar sobre o assunto e disse que ja tinha conhecimento sobre os números divulgados pela Fundaçao Getúlio Vargas. Porém, de acordo com a acessoria, o arcebispo de Vitória, D. luiz Mancilha, estaria em reunião atés as 21 horas...Sendo assim, disse a acessoria, o arcebispo não teria condições de analisar os números divulgados e se pronunciar sobre o assunto.