Prostre-se em adoração somente a Jesus!


"E, entrando na casa, acharam o menino COM MARIA SUA MÃE e, prostrando-se, o adoraram; e abrindo os seus tesouros, ofertaram-lhe dádivas: ouro, incenso e mirra." (Mateus 2.11).

Na letra de um louvor: "O que fazer diante de um Deus tão glorioso?... Adorar, adorar, e prostrado ficar rendido...". 
Os magos estavam diante de um Deus tão glorioso e, reconhecendo isso, eles se prostraram a Ele o adorando e Lhe ofertaram dádivas: ouro, incenso e mirra.

Porque esses homens, ao se prostrarem adorando a Jesus, ofertaram-Lhe ouro, incenso e mirra? Essas três ofertas tem seus significados. 

1º . O ouro representava a perfeição divina e dignidade real. Os Evangelhos nos falam da divina Pessoa de Jesus, e como o ouro era algo ofertado aos reis, essa dádiva indica que Jesus é o Rei. O ouro também nos mostra a finalidade de Sua vinda, ou seja, a instituição do Seu reino divino sobre esta terra. Penso que o ouro foi citado em primeiro lugar porque este é o alvo perfeito e original de Deus.

2º. O incenso representa espiritualmente o aroma da vida de Cristo. Tudo o que fez e falou, por onde quer que andasse, em todas suas obras e em toda sua vida, Jesus foi um aroma agradável diante de Seu Pai. O incenso, portanto, fala da fragrância do homem sem pecado que foi Jesus. Essa oferta simboliza a perfeição da vida de Jesus, totalmente sem pecado. Cristo foi o "Cordeiro sem defeito e sem mácula" ( I Pedro 1.19). 

3º . A mirra origina-se de um vegetal espinhoso de madeira cheirosa. Ela tem um gosto amargo e também podia ser usada como anestésico. Essa oferta de mirra fala dos sofrimentos de Jesus que, mesmo que sua vida toda foi um aroma suave diante de Deus Pai, foi perseguido desde criança, sofreu muito. A mirra provém de uma erva amarga e nos fala dos sofrimentos e amarguras que Jesus iria sofrer. E Ele sofreu (Mateus 2.13; Lucas 4.29;  João 5.16) e até tentaram matá-LO (João 5.. 18). Na crucificação de Jesus deram deram a ele "vinho com mirra, ele, porém, não tomou" (Marcos 15.23).  Jesus também carregou"em seu corpo, sobre o madeiro, os nossos pecados" (I Pedro 2.24). A  mirra simbolizava esses e outros demais sofrimentos de Jesus. 

E porque aqueles homens se prostraram só diante de Jesus e adoraram somente a Ele ofertando-Lhes dádivas? "O, vinde, adoremos e prostremo-nos; ajoelhemos diante do SENHOR que nos criou." (Salmos 95:6). Jesus é o SENHOR que nos criou. A Bíblia nos diz que "todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez." (João 1.3). Os magos estavam se prostrando  de joelhos, diante do SENHOR que os criou, um Deus tão glorioso! Diante Dele é que estavam prostrados! 

Observe que destaquei a expressão "com Maria sua mãe" no primeiro texto bíblico que citei. Ora, Maria estava ali junto com seu filho Jesus, mas somente Ele foi adorado. O magos só se prostraram DIANTE DE JESUS! Certa vez, perguntei a um religioso sobre esse fato, mas não houve resposta. E eu insisto em perguntar: Porque esses homens NÃO se prostraram diante de Maria e NÃO a adoraram ofertando-lhe dádivas? Eu encontro a resposta em Isaías 42.8, onde o Senhor diz: "Eu sou o SENHOR; este é o meu nome; A MINHA GLÓRIA, pois, a outrem NÃO DAREI, nem o meu louvor às imagens de escultura." O SENHOR está dizendo que não dá a sua glória a ninguém e a nada. Ele não divide sua glória e nem o seu louvor! É só Dele. De fato, a Bíblia também nos diz que o nome de Jesus está acima de todo o nome (Filipenses 2.9). "E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos." (Atos 4.12). O salmista diz: "Dai ao SENHOR a glória devida ao seu nome, adorai o SENHOR na beleza da santidade." (Salmos 29:2). Jesus é o SENHOR, e em Mateus 21.6-9 só Jesus foi adorado. Ele foi adorado quando subiu aos céus (Lucas 24. 51-52). Certo homem que fora curada por Jesus O adorou depois de confessar crer Nele ( João 9. 35-38). Uma mulher cananéia adorou a Jesus, clamando: "Senhor, socorre-me!" (Mateus 15:25). 

Não só no Natal, mas no decorrer de todos os anos, meses e dias, Jesus deve ser unicamente adorado. Quem reconhece que Cristo é digno, que Ele é um Deus tão glorioso, diante Dele somente irá se prostrar e somente a Ele adorará. E também, farão isso aqueles que acreditam, confessam e professam que o nome de Jesus está acima de qualquer outro nome e que somente em Jesus há salvação. Prostre-se em adoração somente a Jesus!

"A Renovação Carismática não quer confronto com nenhuma igreja ou denominação", diz Katia Roldi Zavaris


Eleita a primeira mulher presidente da Renovação Carismática Católica do Brasil, a capixaba Katia Roldi Zavaris aposta nos grupos de formação de fiéis para fortalecer a identidade da Igreja.

Há 25 anos ela teve a primeira experiência com Jesus Cristo, quando começou a frequentar um grupo de oração na Catedral de Vitória, junto com aproximadamente 800 pessoas.  Era setembro de 1987, data que Kátia Roldi Zavaris jamais esqueceu. Daí em diante, não parou de servir à Igreja Católica. Coordenou por sete anos a Renovação Carismática Católica do Espírito Santo (RCC), participou de várias missões dentro e fora do país e, em junho deste ano, foi eleita presidente da Renovação da Arquidiocese de Vitória. A responsabilidade, que já era grande, ficou ainda maior em setembro deste ano, quando tornou-se a primeira mulher presidente da RCC Brasil. Mal assumiu a função e já começou o planejamento para os próximos anos do movimento em Vitória, que será modelo para todo o país e terá na Capital uma pequena sede da Renovação Nacional. Nesta entrevista, Kátia fala sobre o aumento do número de evangélicos e as ações para manter os fiéis católicos; como concilia a vida familiar, o trabalho – ela é proprietária de uma escola de inglês na Praia do Canto – e o servir; além de adiantar como será a participação do Estado na Semana Missionária, evento que vai anteceder a Jornada Mundial da Juventude 2013, no Rio de Janeiro. 

Como conheceu a Renovação Carismática Católica?

Sou de família católica praticante e nunca estive fora da Igreja. Na minha família há cinco freiras – duas já falecidas. Fui caminhando em outros grupos dentro da Igreja, que tem serviços para todos os gostos. E a convite de uma amiga, em setembro de 1987, conheci o grupo de oração da Catedral de Vitória. Quando fui pela primeira vez, senti que ali era o meu lugar, fiz a minha primeira experiência com Jesus Cristo. Toda a minha vida como Igreja Católica foi a Renovação que me ensinou, que me fez aprofundar.  

O grupo de oração é uma parte jovem da igreja?

Se você olhar toda a história da igreja, com certeza é um dos movimentos mais novos. Vamos completar em 2017 o nosso jubileu (50 anos).  

O que não quer dizer que só jovem participa...

A experiência no Espírito Santo é para todo cristão. No grupo de oração há pessoas de todas as idades. Nos nossos grupos há o ministério para as crianças, onde pessoas ficam com os pequenos e os evangelizam. Começa desde pequenininho e vai até a terceira idade. Tem pessoas de 95 anos ainda servindo à Igreja, através do grupo de oração. 

A Renovação Carismática foi criada, de certa forma, para recuperar os fiéis que estavam indo para igrejas protestantes?

De maneira nenhuma. Ela não foi criada, a renovação surgiu. Não houve premeditação no surgimento do movimento. Foi pela vontade de Deus. O Papa João XXIII, na abertura do Concílio Vaticano II, fez essa oração: “Renova Senhor, em nossos dias, a graça do seu Espírito Santo como em um novo Pentecostes”. A gente entende como uma resposta do papa. A Renovação é um movimento que surgiu depois do concílio. O concílio terminou por volta de 1965, e, entre 1966 e 1967, a Renovação oficialmente surge em um retiro que aconteceu com jovens nos Estados Unidos. Creio que foi um pedido atendido, mas sem premeditação. 

Algumas pessoas veem semelhança entre os grupos de oração e as igrejas pentecostais.

A nossa identidade é o batismo no Espírito Santo. É o Pentecostes. É o invocar a cada semana no grupo de oração a renovação do Espírito Santo, que é a terceira pessoa da Santíssima Trindade. Os grupos de oração têm como identidade o Pentecostes, mas não são pentecostalistas. A partir do momento que descobrimos que Deus é uma pessoa, e o seu Espírito Santo comunica em nós a graça do Deus vivo, nós passamos a nos comunicar com Ele. Nós o louvamos, conversamos. A nossa forma de oração é bem pessoal. Eu com Deus. E, às vezes, isso faz com que as pessoas achem que nos assemelhamos a algumas igrejas evangélicas, mas somos Católicos Apostólicos Romanos. Não somos uma outra igreja. Integramos um movimento com  características peculiares.

A Renovação Carismática sofre preconceito dentro da própria Igreja? Ainda há pessoas que não veem o movimento com bons olhos?

Isso foi bem comum no princípio, porque era algo muito diferente. A forma de nos relacionarmos com Deus, os gestos que usamos, que são bíblicos. Hoje, o preconceito é mínimo. A Renovação na nossa arquidiocese está inserida em todas as paróquias. Membros da Renovação estão inseridos nas várias pastorais e serviços da igreja. O preconceito  é muito raro, graças a Deus. 

O Brasil tem como presidente uma mulher, e agora a senhora foi eleita como a primeira mulher presidente da Renovação Carismática do Brasil. Como vê essa escolha?

As mulheres estão ocupando o seu espaço, mas eu vejo por um prisma um pouco diferente. A evangelização é urgente, tanto que o Papa Bento XVI convocou um sínodo em Roma para se pensar as novas formas de evangelizar. Acho que a escolha de uma mulher é um sinal de Deus dizendo que precisamos nos unir, homens e mulheres, filhos e filhas de Deus, para uma grande evangelização. Nós não podemos, neste momento, nos segmentar. É necessário que toda humanidade se una para que o nome de Jesus seja proclamado como único Senhor, único Rei, de todas as coisas. 

A senhora quis ser fotografada com a imagem de Maria. O que representa Nossa Senhora para a Igreja?

Maria é a mãe da Igreja, porque ela foi escolhida por Deus para gerar o filho dele. Ela é muito importante para nós. Nós respeitamos Maria como alguém que tem um papel na história da Igreja extremamente importante. Se Jesus é a nossa salvação, Maria foi escolhida para trazer a salvação ao mundo. Portanto, ela não é qualquer pessoa. Ela é a mãe do nosso Senhor e ela merece, sim, um lugar especial no nosso coração e nas nossas igrejas. 

O número de evangélicos no Brasil cresceu nos últimos anos. Como pretende fazer um enfrentamento a esse crescimento? E buscar os que ainda não tem religião?

O que a gente pretende fazer é fortalecer o nosso movimento através de formações, para que as pessoas possam conhecer toda a riqueza da Igreja Católica. Em nenhum momento nós queremos confrontar com nenhuma igreja. Quando conhecemos profundamente a nossa, nós a amamos, não temos vontade de sair. Ela nos completa. Como Renovação temos que fortalecer a nossa identidade. Assim estaremos ajudando católicos e não católicos a permanecerem na nossa igreja. Quem faz a experiência de Jesus Cristo profunda tem o desejo de levar essa mesma experiência a outras pessoas. O verdadeiro evangelizado ajuda a evangelizar outros. 

A sede da Renovação em Vitória vai passar por reformas?

A Casa de Maria é a sede da Renovação na Arquidiocese. Lá, temos o escritório estadual da Renovação e, como fui eleita presidente da Renovação do Brasil, teremos também um pequeno espaço, apenas para a presidência. A casa, que é o antigo Colégio do Carmo, no Centro de Vitória, abriga o coração da Renovação do Brasil, do Estado e da Arquidiocese. A reforma vai começar pelo telhado do auditório, no início de janeiro de 2013. Nós somos muito agradecidos ao arcebispo de Vitória, Dom Luz Mancilha Vilela, por nos ter cedido esse espaço. 

Como os fiéis da Igreja Católica podem ajudar a melhorar a sociedade?

Sendo católicos cristãos verdadeiros. Vivendo o que nos diz a doutrina social da igreja. Pessoas que vivem o evangelho autenticamente, contribuindo com a mudança da sociedade, sendo pessoas íntegras, retas, verdadeiramente convertidas. Pessoas de caráter, que não são individualistas, que sempre pensam no próximo. 

Como a senhora concilia o servir à Igreja, a família e o trabalho?

Sou formada em Letras/Inglês pela Ufes, dou aulas de inglês desde os 16 anos de idade. Depois, tive a oportunidade de ter a minha própria escola, que ocupa bastante o meu tempo. Sou casada há 18 anos – não tenho filhos. Eu costumo dizer que Deus quando nos chama age na nossa vida de forma milagrosa, impactante. Toda a minha vida é direcionada por Ele. Costumo dizer que o tempo da minha vida é um milagre. É claro que não é sem sacrifício, porque o corpo sente, mas Deus restaura e tudo vai se encaixando.

Jovens virão para o Estado para a Jornada Mundial da Juventude, no Rio?

A igreja de Vitória e algumas dioceses, além de outras cidades próximas ao Rio de Janeiro, foram escolhidas para ter a Semana Missionária. O que se prevê é o número de 10 mil jovens do mundo inteiro. Eles serão acolhidos por famílias, e as paróquias vão oferecer momentos de convivência e evangelização. 

O que a senhora gostaria de dizer às pessoas?

Nós precisamos doar as nossas vidas. Muitas pessoas têm medo, acham que vão perder a vida, e ocorre o contrário. Quanto mais  a gente se doa para Deus, mais a nossa vida é ampliada, tem sentido e alegria. Eu posso dizer, sem medo algum, que, quando temos Jesus como Senhor da nossa vida estamos na estrada certa. Não há  mais perda de tempo. 

Fonte: Gazeta Online

Homem troca a mulher pelo sogro em Vila Velha


Oswaldo Nunes (?) Bissoli, 37 anos, comerciante e persona non grata na Família Oliveira Lafaiette. O estopim para o ódio se deu a partir da revelação que genro e sogro mantinham relações íntimas em segredo e desejam tornar público o amor que compartilhavam.Antonio Novaes Lafaiette, 60 anos, bancário e pai de três filhas surpreendeu amigos e familiares ao abandonar o lar onde viveu por 32 anos para viver com Oswaldo este amor ‘proibido’. Natália Oliveira Lafaiette, 59 anos, aposentada e abandonada está à base de ansiolíticos desde que soube do fato.

As famílias que moram no município de Vila Velha no Espírito Santo nunca suspeitaram que a amizade entre genro e sogro transcendesse os limites fraternais. Ambos durante anos cultuavam o hábito de pescar e por isso viajavam pelos recantos mais belos do Brasil em busca de rios em que pudessem colocar suas varas.

A impactante descoberta se deu quando Oswaldo pediu para seu cunhado A.O.L. 17 anos formatasse seu computador. Curioso o jovem decidiu “conhecer melhor” o computador antes de realizar o serviço. Neste momento ele se depara com uma pasta repleta de fotos íntimas do sigiloso casal.

Karina Oliveira Lafaiette 35 anos, professora e esposa traída, num momento de fúria decidiu enviar as fotos íntimas deles para amigos e familiares do casal e hoje responde a um processo por violação de privacidade. Quem viu as fotos diz que o comerciante possuía uma ‘pequena empresa’ enquanto o seu sogro era detentor de um ‘grande negócio’.

Fonte: Rondônia Infoco e Correio Aguaclarense

Reverendo vê religião com bom humor e diz que até casa gays



Aldo Quintão usa piadas nas suas pregações e afirma que quer realizar casamento homossexual.

Quem disse que humor e espiritualidade não podem caminhar juntos? Essa é a pergunta que o reverendo da Igreja Anglicana de São Paulo, Aldo Quintão, faz na capa de seu livro, "A Graça de Deus". 

Ao longo das 144 páginas seguintes, o religioso de 49 anos e cheio de ideias progressistas faz uma defesa de como mensagens religiosas podem ser passadas de forma bem humorada. Formado na Igreja Católica, Quintão é casado e tem um filho de 22 anos. Leia como o religioso encara o assunto.

Piadas

Uso piadas em todas as minhas celebrações. Faço analogias com situações do cotidiano, como traição e comportamento humano. É importante contar casos para aproximar as pessoas. É com eles, por exemplo, que fica mais fácil explicitar a hipocrisia do homem. Está mais que provado que nós podemos conviver com alegria, bom humor. Chega do discurso de que se estiver tudo errado você vai para o inferno.

Marketing 

Não faço marketing. Precisamos acreditar no que estamos falando. É muito fácil vir com um discurso pronto e atrair o povão, a massa. Não é fácil atrair a classe média alta. Como enganar essas pessoas? Elas não são idiotas, imbecis. Na minha igreja há muitas pessoas dessa camada da sociedade.

Diferença

O que a ciência nos mostra a respeito da Igreja Católica Romana é que eles mantém seus membros por meio da vigilância, do medo e da culpa. Lá, os fiéis têm que arrumar um pecado para contar para o padre. Isso acontece mesmo que ele não tenha. O mundo mudou. Hoje, está provado que, quando estamos bem com a vida, o organismo reage e dá respostas. 

Tendência

Na Igreja Anglicana nós fazemos auditoria com frequência. Sempre perguntamos de onde vem as pessoas que estão nos acompanhando. Em todos os levantamentos, 90% são ex-católicos. A maioria aponta que a mudança se deu por causa da rigidez.

Mudança

Quando saí da Igreja Católica fui procurar mais liberdade, carinho, ternura, compreensão. Vim com a proposta de fazer uma renovação. Na minha primeira celebração na Igreja Anglicana havia apenas 800 pessoas na igreja. Hoje já são cerca de 2 mil por domingo. 

Diferença

A principal diferença entre as duas igrejas é a forma de encarar as coisas. Entre os católicos, o que o Papa falou está falado. É regra. Aqui, buscamos sempre ouvir a opinião de todos, o senso comum.

Sucesso

Muitos fiéis de outras igrejas dizem que eu deveria ir para seus templos fazer minhas pregações. Muitos padres já me disseram que fazem uso do meu livro. Meu trabalho está sendo muito bem aceito, principalmente por pessoas mais jovens e de vanguarda.

Progressista

Digo sempre que o mundo é plural, que graças a Deus as pessoas podem expressar o que quiserem. Eu também posso expressar o meu pensamento. Por isso é que eu aceito gays na minha igreja, aceito casar pessoas divorciadas e dou comunhão às crianças. Não se pode tirar a liberdade das pessoas. O mundo é para todos. Sou tachado de liberal porque debato questões polêmicas e defendo minorias. Temas como o direito ao aborto, os estudos com células-tronco e o uso de anticoncepcionais devem ser abordados. Quero discutir o que é o mundo contemporâneo e não o que é a igreja.

Frequência

Na minha igreja todos são bem-vindos. Além dos gays, também há espaço para divorciados e fiéis desiludidos. O mundo moderno é marcado por uma sociedade plural. Na minha leitura do Evangelho, todo mundo tem o direito de ser feliz. Aqui as pessoas sentem que as diferenças são respeitadas.

Casamentos 

Já fiz mais de 3.000 casamentos, 90% em São Paulo. Casei evangélicos, hindus, judeus, muçulmanos, grávidas, desquitadas e por aí vai. Farei o casamento gay assim que a lei permitir.

Como começou

O reverendo Aldo Quintão nasceu em Brasília, em 1962, e entrou para o seminário carmelita da Igreja Católica Romana em 1979, na cidade de Itu (SP). Depois estudou em Camocim de São Félix (PE), em Curitiba, 
e em São Paulo, tornando-se frade carmelita. Entrou na Igreja Anglicana e, já ordenado sacerdote, estudou e morou em Toronto, no Canadá.

Estudo

É formado em Filosofia, Teologia e Pedagogia, com especialização em Psicologia da Educação. Atualmente é pároco da Catedral Anglicana de São Paulo.

Mais de 3 mil

Foi reconhecido pela revista Veja e pelo jornal Folha de S. Paulo como o padre que mais celebra casamentos no Brasil (já foram mais de 3 mil). Na lista estão as celebrações das uniões de Paulo Ricardo, Bruno (da dupla Bruno & Marrone) e dos jornalistas César Tralli e Flávia Freire.

Celebrações

Todos os domingos, a Catedral Anglicana de São Paulo recebe cerca de 2 mil pessoas interessadas em ouvir as mensagens bem humoradas do reverendo.

A Graça de Deus

O livro "A Graça de Deus" é publicado pela Editora Sextante e pode ser comprado a R$ 19,90.
"Na minha igreja todos são bem-vindos. Gays, divorciados... O mundo moderno é marcado por uma sociedade plural"


Fonte: Jornal A Gazeta (Vitória-ES)

Histórias ou Estórias?


Já ouvi fatos reais a respeito da intervenção de Deus na vida de alguém. Eu mesmo poderia contar sobre coisas que aconteceram na minha vida. Há uns fatos contados por pessoas de nosso meio evangélico que, de fato, podem ser reais. Outros podem ser coisas inventadas. Você pode estar se lembrando de algum nesse momento, imagino. 

A Bíblia nos diz para examinarmos tudo, retendo o que é bom. (I Tessalonicenses 4.21), e, eu recebi pelo Facebook e alguns amigos postaram em suas páginas, o seguinte texto: "Uma pequena menina, foi levada pela tia pra igreja e aceitou a Jesus. Chegando em casa ela falou com os pais assim: “Pai deixa eu ser crente ?” O Pai e a mãe disseram: “De jeito nenhum, nós somos seguidores de Maomé.” Ela insistiu tanto que os pais falaram: “Com uma condição, todo o culto que você for, quando você chegar em casa você vai tomar uma surra!” Ela falou “Tudo bem!”. Ela ia pro culto chegava em casa uma surra, ia pro culto chegava em casa outra surra. Um dia a tia deu pra ela um vestido branco e ela cantou na frente da igreja sozinha o primeiro solo dela aos 12 anos, ela tinha 1 aninho de convertida. Quando acabou o culto ela ficou com as coleguinhas, todo mundo feliz. O pai dela veio bêbado, pegou a menina e a espancou, diante da igreja, bateu a cabeça dela no meio fio e a machucou muito. Prenderam o pai. Então, a tia e o pastor pegaram a menina e a colocaram em um banco, tiraram o vestido branco dela enquanto ela ficava perdendo a consciência, perdia a consciência e voltava, então, naquele instante quando voltava a consciência ela falava ”Pastor cadê meu vestidinho?” O Pastor falou “esquece o vestido minha filha, ele tá todo sujo de sangue, fica firme, aguenta que o médico tá chegando” Aí ela apagava, aí ela acordava de novo e falava “Tia.. Pastor, me dá o meu vestido, eu quero o meu vestidinho branco” e eles falavam “esquece o vestido, ele tá todo sujo” Isso aconteceu cinco vezes; na quinta vez que aconteceu isso a menina falou : “Pastor eu estou vendo Jesus ali em pé, e Ele está me dizendo que vai me levar agora, por favor, pelo amor de Deus, por tudo o que é mais sagrado, me dá o meu vestidinho branco?” O pastor disse “Por que?” Ele foi lá, pegou o vestido e deu pra ela, ela abraçou o vestidinho só de calcinha e foi fechando os olhinhos pela última vez nessa terra, e o pastor perguntou “Mas por que você quer tanto esse vestido?” E as últimas palavras dela foram: “Eu quero entrar com esse vestidinho sujo de sangue no céu, pra mostrar pra Jesus, que assim como um dia ele sangrou por mim, eu também sangrei por Ele."

Os comentários foram de emoção, de tristeza, de elogio, mas teve um que incomodou: o meu comentário...
Nele eu disse: "E digo isto, para que ninguém vos engane com palavras persuasivas" (Colossenses 2.4) Efésios 5.6 e Colossenses 2.8 já nos orienta... E vejo isso uma coisa meia bizarra... não acha? se Jesus tava vendo ela e ela vendo ele ( e ele sabe todas as coisas) não precisava ela mostrar o vestido...Jesus estava na vida dela vendo tudo quanto ela estava sofrendo por ele. Não sou de dar atenção a essas histórias inventadas sem lógica. Tem uma história (ou estória) que dizem que uma menina tava no ônibus com o pai. Um crente ao lado dizia: Jesus está voltando! Ai o pai da menina mandou um crente calar a boca, e nesse momento a menina disse ao pai que aquele crente era um servo de Deus...O pai da menina chorou dizendo: É um milagre! pois a minha filha não falava e agora esta falando...Depois inventam o mesmo caso, só que desta vez não foi no ônibus, mas sim na rua...E era uma mãe que passava na rua e "aconteceu" (?) o mesmo. Nós evangélicos gostamos de inventar milagres, já que muito não acontece em nosso meio. "E desviarão os ouvidos da verdade, voltando às fábulas." ( II Timóteo 4:4). "Porque não vos fizemos saber a virtude e a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo, seguindo fábulas artificialmente compostas; mas nós mesmos vimos a sua majestade." ( II Pedro 1:16). "E por avareza farão de vós negócio COM PALAVRAS FINGIDAS; sobre os quais já de largo tempo não será tardia a sentença, e a sua perdição não dormita." (II Pedro 2.3)."

Eu creio em Deus, mas não preciso me deixar levar por histórias artificialmente compostas. Tais coisas não irão me comover, não irão mexer com minha emoção e muito menos irão acrescentar algo à minha fé. Minha fé não precisa disso. Eu a alimento e a fortaleço com a palavra de Deus e pela oração. Não será preciso criar fatos para provar minha crença.

Deus tem Facebook?



Logo pela manhã, muitos já entram "orando" no Facebook, escrevendo: "Obrigado Senhor por esse dia lindo", " Deus, que o Senhor venha abençoar esse dia", " Jesus, nos dê uma semana abençoada", e assim por diante. Uns até usam palavras bonitas em longas orações de textos...

Em alguns minutos, surge um amigo curtindo, comentando, ou compartilhando. Uns dizem "amém", outros acabam orando também. Só não sei como escrevem e postam suas "orações" de olhos fechados. Eu imagino alguns ajoelhados diante do computador orando e postando suas orações...

Orar é falar com Deus, é conversar com Ele. O fato é que Ele não tem Facebook para "responder" orações postadas ou compartilhadas. "E, quando orares, não sejas como os hipócritas; pois se comprazem em orar até nas rede sociais, e fazem isso para serem vistos pelos amigos. Em verdade vos digo que já receberam o seu galardão." ( Verídico 6:5).

Muitas pessoas querem estar "online" na internet, mas podem estar "offline" com Ele fora dela. Há pessoas que gostam de orar no Facebook, mas têm vergonha de orar fora da sua página na internet. Você tem feito isso? Você tem entrado em seu quarto e falado com Deus, conforme ensina Mateus 6.6?

"Mas tu, quando orares, entra no teu Facebook e, escrevendo no seu mural, ora a teu Pai que não tem Facebook; e teu Pai, que vê você teclando, te abençoará. E, orando, não posteis de vãs repetições, como seus amigos, que pensam que por muito postarem estão orando." (Fariseus 6:6).

Faltando menos de 10 dias para o mundo acabar, garota teme morrer virgem.


Estudante contou ao Gazeta Serra tudo que precisa fazer antes do fim do mundo.

Moradora do município da Serra-ES., estudante de Rentolonologiatistica , Silvia Silva, 15 anos, está preocupada com o fim do mundo em 21 de dezembro. Acontece que Silvia ainda precisa fazer muita coisa e acredita que não dá mais tempo sequer de fazer a metade. 

Dentre tantas, a maior preocupação de Silvia é morrer virgem. "Este com certeza está sendo o maior problema da minha vida, mas além deste, tenho outras coisas pra fazer e sei que não vou conseguir por falta de tempo", disse. 

A adolescente disse que precisa fazer muitas coisas que nunca conseguiu na vida e que é normal entre adolescentes da mesma idade. Ficar bêbada é uma das coisas que Silvia pretende fazer antes do fim do mundo. 

"Todas as minhas amigas já pagaram esse mico de sair do bar bêbada sendo segurada pelos amigos. Comigo isso nunca aconteceu porque eu não bebo. O mundo vai acabar e vou morrer sem saber como é ficar bêbada", disse a adolescente lamentando. 

A jovem disse também que nunca virou a noite na Internet. "Sempre dormi cedo enquanto alguns amigos passam a madrugada usando Internet, no Facebook, e só dormem quando o dia amanhece. Nunca fiz isso. É outro objetivo que pretendo conquistar antes do fim do mundo", disse.

Fonte: Gazeta Serra

Comercial da Nike com Neymar e Anderson Silva nega Deus


Um vídeo lançado recentemente pela Nike trata de maneira negativa a conhecida frase “Deus é brasileiro”. No vídeo, lançado no canal da empresa no Youtube, são mostradas várias cenas de atletas praticando esportes ou treinando e uma narração acompanha as imagens desenvolvendo a ideia de que as conquistas vem exclusivamente do esforço pessoal
 e não de uma “força mágica ao nosso redor”.


- Faz tempo que a gente fala que Deus é Brasileiro, que não é a gente que traça nosso destino – afirma o vídeo, intitulado “Nike: Encontre Sua Grandeza”, que continua falando que na verdade a “grandeza” não “vem de cima”, mas sim do nosso esforço e vontade.


Utilizando a imagem de atletas consagrados como Neymar e Anderson Silva, o vídeo dá também uma conotação negativa ao termo “escolhido”, geralmente usado no contexto religioso para se referir a pessoas que teriam sido destacadas por Deus para uma determinada tarefa. De acordo com o texto do comercial, esse pensamento é o que paralisaria as pessoas de irem atrás de sua própria grandeza.

Maria, um exemplo de serva de Deus


Muito se fala em defesa do culto à Maria. Pouco se mostra na Bíblia. Maria foi uma humilde e obediente serva de Deus e uma mulher agraciada por Deus para ser mãe de Jesus. Um bom exemplo de mãe! Mas também estou certo de que ela não foi cultuada ou reverenciada, e que, segundo análise bíblica, não se faz preces a ela. Quando o anjo disse "Salve agraciada, o Senhor é contigo..." ele estava dizendo que Maria havia sido favorecida, ajudada por Deus... Foi por isso que o anjo disse: "Achaste graça diante de Deus". Ou seja, Maria achou favor diante de Deus. Maria tinha um Salvador. Ela mesma diz isso em Lucas 1.47. Já a expressão "Bendita és tu entre as mulheres" foi apenas uma declaração . Seria a mesma coisa ele dizer: “Você é abençoada entre as mulheres". Não devemos confundir as palavras que o anjo disse à Maria com culto!

Nos Evangelhos, não encontramos Maria sendo adorada ou homem algum prestando culto a ela e nem mesmo lhe fazendo preces ou lhe acendendo velas. Muitos menos fazendo romarias em sua honra. Vejamos que quando os pastores de Belém foram visitar o menino Jesus, "entrando na casa, acharam o menino com Maria sua mãe e, prostrando-se, O ADORARAM; e abrindo os seus tesouros, ofertaram-lhe dádivas" (Mateus 2.11). Porque eles não fizeram isso também à Maria? A resposta é que o Senhor não divide o seu louvor e a sua glória com ninguém (Isaías 42.8). No filme, O alto da Compadecida, entende-se que Maria pode mais que Jesus, mas isso é uma mentira. Na cena em que o personagem João Grilo morre e vai para o céu ser julgado, o "Jesus" diz que o caso ele não pode resolver e logo passa para a sua mãe, a qual salva João. Está conferindo com o que o catolicismo prega, não é mesmo?

Jesus não ficou favorável quando alguns exaltaram a Maria. Em Lucas lemos: "E aconteceu que, dizendo ele estas coisas, uma mulher dentre a multidão, levantando a voz, lhe disse: Bem-aventurado o ventre que te trouxe e os peitos em que mamaste. Mas Jesus disse: 'Antes bem-aventurados os que ouvem a palavra de Deus e a guardam'." (Lucas 11.27,28). Mateus descreve outro fato muito parecido: "E disse-lhe alguém: Eis que estão ali fora tua mãe e teus irmãos, que querem falar-te. Ele, porém, respondendo, disse ao que lhe falara: Quem é minha mãe? E quem são meus irmãos? E, estendendo a sua mão para os seus discípulos, disse: Eis aqui minha mãe e meus irmãos..." (Mateus 12.47,48, 49).

Dizem que o primeiro milagre de Jesus ocorreu com intervenção de Maria... Que engano! Quando Jesus transformou a água em vinho, Maria lhe disse: "Faltou o vinho". Jesus olhou para ela, dizendo: “Mulher, o que temos nós em comum?" (João 2.3,4), ou: "Mulher, o que tenho eu contigo?" Em outras palavras, Jesus estava querendo dizer que não era preciso que Maria intervisse naquilo que Ele poderia ( e pode) estar fazendo. Jesus é o único Mediador entre Deus e nós (I Timóteo 2:5). Se Jesus e Maria tinham algo em comum, foi até o nascimento Dele. O papel dela nessa história foi de dar à luz à Jesus e ser mãe dele. Nada mais que isso. Ela não seria intermediaria entre Jesus e seus seguidores. Ninguém prova na Bíblia que ela roga por nós, que advoga nossas causas, que é padroeira e que perdoa pecados. Numa das orações feitas à Maria, é dito "Eia, pois advogada nossa", sendo que ela não está no Evangelho como nossa advogada. Onde lemos isso? O que sei é que, se pecarmos, temos um Advogado que é Jesus (I João 2.1), pois se a Ele "confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça." (I João 1.9).

Com base em Atos 1:14 dizem que Maria estava perseverava na oração. Mas ela não fazia algo que todos devemos fazer como servos de Deus. Falando isoladamente, Maria era serva de Deus. Na Bíblia existe um versículo, exatamente em 1ª Tessalonicenses 5:17, que diz: Orai sem cessar. Maria estava fazendo o seu dever como serva de Deus. E é bom lembrar que TODOS "perseveravam unanimemente em oração e súplicas" (Atos 1.14). É interessante observar também que eles estavam orando COM MARIA e não à Maria. Pregam a respeito de Lucas 2, que Maria intercede por nós porque no texto Jesus foi submisso à Maria. Ele foi submisso porque ainda era humano e, principalmente, porque era uma criança. Ele tratava dos negócios do Pai dele. O que seria do primeiro mandamento com promessa, que é honrar o pais para que se prolongue seus dias sobre a face da terra, se Jesus não fosse submisso à sua mãe? Ele teria pecado e nós estaríamos perdidos.

Maria é também intitulada de "Rainha dos Céus". Mas a rainha dos céus era uma deusa, pela qual o povo não quis obedecer a palavra do Senhor que lhe foi anunciada (Jeremias 44.16) adorando-a com incenso e libações e outras oferendas e sacrifícios (Jeremias 44. 17 -30), provocando assim a ira de Deus ( Jeremias 7. 18) e "andaram nos seus próprios conselhos, no propósito do seu coração malvado; e andaram para trás, e não para diante." (Jeremias 7:24). Você não acha coincidência e, ao mesmo tempo, estranho, darem à Maria o título de "Rainha dos Céus"? Isso tudo que se faz para Maria está muito parecido com o culto à rainha dos céus mencionada por Jeremias. Além disso, não encontramos na Bíblia outros nomes e títulos dados à Maria. E quando pregam que Maria é Rainha do Céu, ainda usam o texto de Apocalipse 12. Em Apocalipse 12:1 diz: “Apareceu em seguida um grande sinal no céu: uma Mulher revestida do sol, a lua debaixo dos seus pés e na cabeça uma coroa de doze estrelas.”. Onde fala que esta mulher é Maria, que foi a mãe de Jesus aqui entre os humanos? Não há menção do nome de Maria. Trata-se de uma profecia e não algo rotulado por homens como melhor aprouve-lhes.

Dizem que em João 19 Jesus "entregou Maria como mãe de todos nós", mas na verdade Jesus nomeia Maria como mãe de João, que era o profeta relatado como o profeta que ele amava, em João 19, 26: “... disse à sua mãe: Mulher, eis aí o teu filho.”. E nomeou João como filho dela. Isso não entrega Maria como mãe de todos nós. Isso cria um laço afetivo maior entre Maria e João, para que um se apoiasse no outro, sendo mãe e filho respectivamente. Mostrando que João era um homem que tinha o amor, o respeito e a confiança de Jesus.

Quando lemos na Bíblia que Maria era uma moça virgem devemos ter bom sendo e entender que não se trata de um título, mas de uma condição. Porém no catolicismo é insistente dar a ela o título de "Virgem Maria". E, ao analisarmos o Evangelho, saberemos que Maria não permaneceu virgem e deu à luz outros filhos. Em Mateus 1.25 entendemos que Maria teve relações com José depois que Jesus nasceu. Vejamos: "E não a conheceu ATÉ que deu à luz seu filho, o primogênito; e pôs-lhe por nome Jesus." "Conhecer" no sentido bíblico é ter relações sexuais. A mesma expressão é usada com Adão e Eva quando tiveram relações ("E conheceu Adão a Eva, sua mulher, e ela concebeu e deu à luz a Caim"- Gênesis 4:1). Vejamos que em Mateus 1.25 vemos também que Jesus foi o "primogênito". o primeiro filho de Maria. Caso ela não tivesse outros, a palavra que deveria estar nesse versículo é "unigênito" que significa único. Maria teve mais filhos depois de Jesus. Lendo os Evangelhos, encontramos: "Não é este o carpinteiro, filho de Maria, e irmão de Tiago, e de José, e de Judas e de Simão? e não estão aqui conosco suas irmãs?” (Marcos 6:3).

Maria foi um bom exemplo de serva de Deus. Além de ter declarado que Deus era seu salvador (Lucas 1.47), aceitou a vontade Dele em sua vida e cumprir nela a palavra que Deus havia declarado. Foi uma mulher de oração e obediente a Deus. Maria foi feliz nisso! E, de todas as mulheres, foi agraciada por Deus para ser mãe do Salvador.


E a Palavra de Deus?


Em Neemias 8, encontramos o sacerdote Esdras lendo a Palavra de Deus NUMA PRAÇA desde o amanhecer ATÉ AO MEIO-DIA, perante muitas pessoas, entre elas, homens sábios; e os ouvidos das pessoas estavam ATENTOS à Palavra que se lia. Todos se colocaram de pé quando Esdras abriu o livro para ler. Depois, ele condu
ziu o povo a louvar a Deus, e as pessoas se inclinaram e adoraram ao Senhor, com o rosto em terra. E o povo ainda chorou ouvindo a Palavra de Deus! 


Que culto abençoado! Seis horas ouvindo a palavra de Deus! E, só depois, o povo louvou ao Senhor! Que avivamento diferente dos atuais! Hoje, em várias igrejas e nas praça se fizerem uma reunião dessa, será precariamente frequentada. Poderemos contar à dedo as pessoas presentes. Sim, cultos como esse, onde se dá prioridade ao estudo da Palavra de Deus, são desprezados enquanto festas e shows tidos como evangélicos são bem frequentados. Nisso, vemos a falta de apetite pela Palavra de Deus, e uma doença espiritual de extrema gravidade.

Hoje, uma grande multidão, se põe de pé em frente a um palanque somente para adorar (...) por quase cinco horas e a pregação da Palavra de Deus nesses "cultos" dura no máximo 15 minutos ( isso é quando tem pregação...). É disso que a maioria gosta! Têm muita energia para pular, cantar e dançar por horas, mas não têm energia para ficar de pé ouvindo a pregação da Palavra de Deus. Nos cultos dentro de algumas igrejas não tem sido muito diferente...Na hora da pregação, muitos saem para tomar água, para ir ao banheiro, ou até mesmo para ir embora. Outros conversam, mexem no celular...Não ficam atentos à pregação da Palavra de Deus.

Houve um verdadeiro avivamento nos dias de Neemias, e a exposição da Palavra de Deus foi a base daquele avivamento. Quando lemos Neemias 8.8 vemos que Esdras não se limitou em ler as Escrituras Sagradas e, "declarando e explicando" cada texto exposto, fez com que o povo compreendesse o sentido da palavra de Deus. O entendimento da Palavra de Deus gerou um avivamento genuíno. O povo chorou ao entender a Palavra de Deus. Foi um choro de sincero arrependimento. Esdras e Neemias, porém, disseram: "Não se lamentem, nem chorem" (Neemias 8.9). A explicação da palavra de Deus levou o povo a um real arrependimento, mas isso também era motivo de celebração. Afinal, o avivamento havia começado.

É de importância lembrar que a leitura e explicação da Palavra de Deus duraram sete dias, durante seis horas por dia (Neemias 8.3,18). De fato, a exposição das palavras de Deus dá luz e entendimento as pessoas (Salmo 119.130). Imagine um evento gospel em nossa cidade que durasse sete dias e a prioridade do tempo fosse dada para a Palavra de Deus e depois o louvor dado a Deus com corações genuinamente quebrantados diante Dele... Como seria? Parece que o povo não quer saber disso e os seus desejos estão sendo atendidos.

Precisamos de líderes religiosos e organizadores de eventos evangélicos como Esdras, que não se limite a falar a Palavra de Deus ao povo de forma que cause genuíno arrependimento e traga um verdadeiro avivamento no meio do povo de Deus. Temos que viver dias de como esses de Neemias! Não dias como os que Amós presenciou, onde era prática constante o povo ir aos cultos (Amós 5.5), entoar cânticos com muito entusiasmo (Amós 5.23), mas seus atos eram exteriores e não de coração (Mateus 15.7-8), e por isso tudo estava sendo rejeitado por Deus devido a falta de santidade do povo (Amós 5.21-23).

Tati Quebra Barraco diz que vai festejar aniversário com culto e cerveja


Tati Quebra Barraco está próxima de completar 33 anos. De acordo com o jornal Extra, de presente, a cantora vai se dar outra plástica, a vigésima segunda. Desta vez, a funkeira vai diminuir os seios e fazer uma lipoaspiração.
Foto: Divulgação
Para comemorar Tati já anuncia: culto durante o dia e churrasco com 600 caixas de cerveja à noite. Em entrevista à publicação, a funkeira frisa que não se converteu à religião. "Não virei crente! Minha família frequenta igrejas e gosta de celebrar os aniversários com culto. Recebo o povo aqui em casa durante o dia, e à noite, quandos os crentes vão embora, faço uma festa com churrasco."

Na mesma resposta Tati ainda revela que os evangélicos querem que ela vire cantora gospel. "O povo da igreja até tenta me converter, querem que eu vire cantora gospel, mas isso não vai acontecer (risos). Mas não renego a Deus, viu. Pelo contrário, sempre agradeço a ele tudo o que conquistei".

O aniversário da funkeira, conhecida por músicas repletas de palavrões, acontece em setembro. Até lá, ela continua se orgulhando de suas conquistas financeiras e familiares. Tati é casada há nove anos com um segurança, tem três filhos e um neto - todos estudando em instituições particulares. "Sou fiel ao meu homem. A Tati Quebra Barraco é uma, em casa eu sou a Tatiana, a mãe, mulher que leva os filhos à escola, faz comida. Não sou tão desbocada e não falo baixaria no meu dia a dia. Deixo isso para os shows. No palco, sou a rainha da putaria e do funk."

Extraído do GAZETA ONLINE

Evangélicos dizem não à união homoafetiva


Data: 11/05/2012 - ES - VIla Velha - Na Rua Silvio Baratella,  a fossa de um condomínio está cheia, e o esgoto corre para a rua, atingindo a Praia da Baleia, em Ponta da Fruta.  - Editoria: Cidades - Foto: leitora Sandra Regina Farias Fidalgo Pereira
Segundo pesquisa realizada pelo Instituto Futura, 42,7% dos evangélicos não aceitam esse tipo de relacionamento.

União Gay: Evangélicos dizem não

Segundo pesquisa, eles são os que mais se opõem à questão

Frederico Goulart
fgoulart@redegazeta.com.br


A posição contrária em relação à união entre homossexuais é mais latente entre os evangélicos no Estado. Segundo pesquisa realizada pelo Instituto Futura, 42,7% deles não aceitam esse tipo de relacionamento. O levantamento também mostra que 68,3% não é favorável à união civil gay e 49,3% são contra a adoção de criança por casais do mesmo sexo.

Esse números vão de encontro à tendência da maior parte da população do Estado, que nos últimos anos tem se posicionado de forma mais tolerante. Entre 2010 e 2012, os favoráveis à união homoafetiva pularam de 22,1% para 24,7%.

No aspecto religioso, a tolerância é significativamente maior entre os espíritas: 40% deles são favoráveis ao homossexualismo. Entre os evangélicos, apenas 29,1%. Já entre aqueles que dizem não ter nenhuma religião, o número chega a 35,7%.

Para o pastor Abílio Rodrigues, presidente da Associação de Pastores de Vitória, o posicionamento dos evangélicos reflete uma premissa básica da religião: pautar a conduta pela Bíblia. "Ela é muito clara em relação ao pecado da homossexualidade", diz. E completa: "se a constituição vai contra o que está escrito nela, ficamos com a Bíblia".

Abílio diz defender o Estado laico, mas acredita que seu rebanho tem o direito de defender seu pensamento diante dos legisladores e do judiciário. Sobre a adoção, o pastor justifica a posição contrária devido a possíveis influências que esse tipo de união pode exercer sobre as crianças. Mas ele ressalva: "Não somos homofóbicos. Não incitamos a violência".

Espírito sem sexo

A vice-presidente da Federação Estadual Espírita, Dalva Silva Souza, tem uma posição diferente. Ela explica que a doutrina de seu grupo religioso determina uma preponderância do espírito em relação ao corpo; e o espírito não tem sexo. "Dentro dessa perspectiva não se deve condenar ninguém pela escolha que faz", aponta.

Christovam Mendonça, coordenador do Fórum Estadual em Defesa dos Direitos e Cidadania LGBT, acredita que, independente da religião, a partir do momento que as pessoas se colocarem à disposição para discutir o assunto, tenderão a diminuir a rejeição. Para ele, a posição contrária está relacionada a uma visão patriarcal que ainda domina o debate do gênero em várias religiões.

"Quando perceberem os filhos das próprias igrejas seguindo essa orientação, haverá uma mudança. O mesmo aconteceu com os negros. Antes dizia-se que eles não tinham a divindade dos brancos. Hoje, isso já foi vencido".

A pesquisa da Futura também mostrou que nas classes D/E a rejeição é a maior: 30,5%. Os números também apontam que, quanto menor a escolaridade, maior é a intolerância a respeito dos gays.


O que diz a pesquisa


O que diz a pesquisa


Qual é o seu posicionamento sobre a relação homossexual?
Católicos
29,1% favorável
16,1% contrário
53,5% indiferente

Evangélicos
12,7% favorável
42,7% contrário
39,4% indiferente

Espíritas
40% favorável
10% contrário
7,1% indiferente

É a favor da lei que criminaliza a homofobia?
Católicos
66,9% sim
26,7% não 

Evangélicos
54,9% sim
37,3% não

Espíritas
70% sim
20% não

Apoia a União Civil aprovada no Supremo?
Católicos
59,3% sim
31,4% não

Evangélicos
25,4% sim
68,3% não

Espíritas
80% sim
20% não

Se não, por quê?
Católicos
25,9% a união é uma instituição entre um homem e uma mulher

Evangélicos
25,8% a igreja condena o homossexualismo

Espíritas
50% a igreja condena o homossexualismo

Pessoas do mesmo sexo podem adotar crianças?
Católicos
54,1% favorável
33,1% contrário

Evangélicos
31,7% favorável
49,3% contrário

Espíritas 
70% favorável
20% contrário

Se é contrário, por quê?
Católicos
33,3% a criança vai sofrer preconceitos na sociedade em que vive

Evangélicos
37,1% a criança vai sofrer preconceitos na sociedade em que vive

Espíritas
50% a criança vai sofrer preconceitos na sociedade em que vive

Na população em geral
Qual seu posicionamento sobre a relação homossexual?
24,7% favorável
25,4% contrário

É a favor da criminalização da homofobia?
63,3% sim
30,4% não 

Apoia o reconhecimento da união civil gay?
48,9% sim
41,95 não

É a favor de pessoas do mesmos sexo adotarem crianças?
47,95 sim
35,9% não

Opinião por faixa etária
De 20 a 29 anos
36,2% favorável
De 40 a 49 anos
37% contrário

Opinião por classes sociais
D/E
30,5% contrário

C
22% favorável

A/B
34,8% favorável

Opinião por escolaridade
Ensino superior
9,3% contrário
Ensino fundamental
32,8% contrário

Análise
 
"A Bíblia não tem força jurídica"

Em discussões como a união homoafetiva, a sociedade brasileira costuma ser bombardeada com o argumento de que o Estado é laico. Tradicionalmente, no mundo ocidental, a religião sempre esteve atrelada às ações políticas. No Brasil, por exemplo, apenas em 1977 a questão do divórcio foi regulamentada. A distância entre Estado e religião é prejudicada pois existe uma constante tensão entre uma sociedade marcadamente ideológica e religiosa e um Estado que se diz laico. O homem faz política marcado por sua visão religiosa, o que é grave. Hoje, essa distinção tem se restringido às cortes jurídicas. No congresso, há bancadas ligadas às igrejas que defendem que, acima da constituição, devem ser seguidos os preceitos da Bíblia. Quem age assim põe em risco os direitos dos cidadãos. A Bíblia não tem força jurídica. Falta, especialmente aos jovens, fortalecimento de visão constitucional. É a constituição que rege e organiza a sociedade. Caso contrário há risco de se perder a ética na gestão pública – o que se reflete no dia a dia das pessoas.

Caleb Salomão, professor de Direito Constitucional





Fonte: Jornal A Gazeta (Vitória-ES) 13/05/2012 - 21h18 - Atualizado em 13/05/2012 - 21h18 no Gazeta Online

O culto à Maria, as virtudes e títulos que lhe são atribuídos

Sei que estou num país tradicionalmente religioso, e tenho amigos e parentes muito religiosos, mas eu preciso discorrer sobre esse assunto, já que é me imposta essa liberdade. Muitos terão isso como uma ofensa, uma afronta, mas, com reflexão bíblica, quero falar sobre a prática do culto à Maria...E isso é algo que venho conversando com algumas pessoas, assim como gostaria de conversar com outras demais pessoas. E como sempre, estarei mencionando como referência e provas a Bíblia Sagrada. O assunto em pauta não é coisa que aprendi em igrejas, com pastores, lendo livros e revistas evangélicas, não foi ouvindo uma rádio...Foi examinando pessoalmente a Palavra de Deus.

São muitos os argumentos em defesa do culto à Maria, mas pouco se cita a Palavra de Deus como referência. É muito fácil alguém mencionar pouco dos textos dos Evangelhos como, por exemplo, Lucas 1.48 e defender a idéia de que Maria deve ser cultuada por nós. Mas os argumentos tornam-se invalidados à luz do contexto e de outras menções da Palavra de Deus. Ou  vão dizer que essa Palavra está errada? Afinal, Maria deve ser cultuada por nós? Muitos dizem que odiamos Maria, mas se isso fosse mesmo verdade, teríamos que retirar da Bíblia textos sobre ela. E sabemos que Maria teve um papel importante nos relatos sobre Jesus, mas nem por isso deve ser venerada e nem devemos atribuir à ela as mesma virtudes de Cristo.

Estou certo de que Maria foi uma humilde e obediente serva de Deus e uma mulher agraciada por Deus para ser mãe de Jesus. Um bom exemplo de mão! Mas também estou certo de que ela não foi cultuada ou reverenciada, e que, segundo análise bíblica, não se faz preces à ela. Quando o anjo disse "Salve agraciada, o Senhor é contigo..." ele estava dizendo que Maria havia sido favorecida, ajudada por Deus...Foi por isso que o anjo disse: "Achaste graça diante de Deus". Ou seja, Maria achou favor diante de Deus. Já a expressão "Bendita és tu entre as mulheres" foi apenas uma saudação. Seria a mesma coisa ele dizer: " Você é abençoada entre as mulheres". Não devemos confundir saudação com culto! E  também não foi homem que dirigiu aquelas palavras à Maria. Foi um anjo!

Nos Evangelhos, não encontramos Maria sendo adorada ou homem algum prestando culto à ela e nem mesmo lhe fazendo preces ou lhe acendendo velas. Muitos menos fazendo romarias em sua honra. Vejamos que quando os pastores de Belém foram visitar o menino Jesus, "entrando na casa, acharam o menino com Maria sua mãe e, prostrando-se, o adoraram; e abrindo os seus tesouros, ofertaram-lhe dádivas" (Mateus 2:11). Porque eles não fizeram isso também à Maria? A resposta é que o Senhor não divide o seu louvor e a sua glória com ninguém (Isaías 42.8). No filme, O alto da Compadecida, entende-se que Maria pode mais que Jesus, mas isso é uma mentira. Na cena em que o personagem João Grilo morre e vai para o céu ser julgado , o "Jesus" diz que o caso ele não pode resolver e logo passa para a sua mãe, a qual salva João.

Para Jesus, Maria era igual as outras mulheres. Ele não via nela nenhuma outra coisa além de ser humana. Entendemos isso lendo fatos encontrados nos Evangelhos. Em alguns deles Jesus não permite que as pessoas a idolatrem. Em Lucas lemos:"E aconteceu que, dizendo ele estas coisas, uma mulher dentre a multidão, levantando a voz, lhe disse: Bem-aventurado o ventre que te trouxe e os peitos em que mamaste. Mas Jesus disse: 'Antes bem-aventurados os que ouvem a palavra de Deus e a guardam'." (Lucas 11:27,28). Mateus descreve um outro fato onde o próprio Jesus coloca Maria na mesma condição dos outros: "E disse-lhe alguém: Eis que estão ali fora tua mãe e teus irmãos, que querem falar-te. Ele, porém, respondendo, disse ao que lhe falara: Quem é minha mãe? E quem são meus irmãos? E, estendendo a sua mão para os seus discípulos, disse: Eis aqui minha mãe e meus irmãos ..." ( Mateus 12:47,48,49).

Dizem que o primeiro milagre de Jesus ocorreu com intervenção de Maria...Que engano! Quando Jesus transformou a água em vinho, Maria lhe disse : "Faltou o vinho". Jesus virou para ela e pareceu lhe falar de uma forma ríspida, dizendo: " Mulher, o que temos nós em comum?" (João 2:3,4), ou: "Mulher, o que tenho eu contigo?" Em outras palavras, Jesus estava querendo dizer que não era preciso que Maria intervesse em algo no seu milagre. Jesus é o único Mediador entre Deus e nós ( I Timóteo 2:5). Se Jesus e Maria tinham algo em comum, foi até o nascimento Dele. O papel dela nessa história foi de dar à luz à Jesus e ser mãe dele. Nada mais que isso. Ela não seria intermediaria entre Jesus e seus seguidores. Ninguém prova na Bíblia que ela roga por nós, que advoga nossas causas, que é padroeira e que perdoa pecados. Numa das orações feitas à Maria, é dito "Eia,pois advogada nossa", sendo que ela não está no Evangelho como nossa advogada. Onde lemos isso? O que sei é que, se pecarmos, temos um Advogado que é Jesus (I João 2.1), pois se a Ele "confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça." (I João 1.9).

Pregam sobre a assunção de Maria aos céus, sendo que não vejo em parte alguma da Bíblia uma só passagem mostrando Maria sendo assunta ao céu. Maria é também tida como "Rainha dos Céus" no catolicismo romano... Mas a rainha dos céus era uma deusa, pela qual o povo não quis obedecer a palavra do Senhor que lhe foi anunciada (Jeremias 44.16) adorando-a com incenso e libações e outras oferendas e sacrifícios (Jeremias 44. 17 -30), provocando assim a ira de Deus ( Jeremias 7. 18) e "andaram nos seus próprios conselhos, no propósito do seu coração malvado; e andaram para trás, e não para diante." (Jeremias 7:24). Você não acha coincidência e, ao mesmo tempo, estranho darem à Maria o título de "Rainha dos Céus"? Isso tudo que se faz para Maria está muito parecido com o culto à rainha dos céus mencionada por Jeremias. Além disso, não encontramos na Bíblia outros nomes e títulos dados à Maria.

Um outro título dado à Maria é o de "Virgem Maria" ou "Virgem Santa". Mas ao analisarmos o Evangelho, saberemos que Maria não permaneceu virgem e deu à luz outros filhos. Em Mateus 1.25 entendemos que Maria teve relações com José depois que Jesus nasceu. Vejamos: "E não a conheceu ATÉ que deu à luz seu filho, o primogênito; e pôs-lhe por nome Jesus." "Conhecer" no sentido bíblico é ter relações sexuais. A mesma expressão é usada com Adão e Eva quando tiveram relações ("E conheceu Adão a Eva, sua mulher, e ela concebeu e deu à luz a Caim"- Gênesis 4:1). Vejamos que em Mateus 1.25 encontramos também a expressão "primogênito" que indica que Jesus é o primeiro filho de Maria. Caso ela não tivesse outros, a palavra que estaria nesse texto é "unigênito" que significa único. Maria teve mais filhos depois de Jesus. Lendo os Evangelhos, encontramos: "Não é este o carpinteiro, filho de Maria, e irmão de Tiago, e de José, e de Judas e de Simão? e não estão aqui conosco suas irmãs?"(Marcos 6:3). Em Atos 1.14 também encontramos a prova que Maria teve outros filhos. Se Tiago era irmão do Senhor (Gálatas 1.19), logo Maria era mãe de Tiago. Pelo menos não encontramos relatos de que José foi casado com outra ou que teve um relacionamento extraconjugal....Portanto, o título de "Virgem Maria" não condiz com toda a vida de Maria, e sim somente até o nascimento de Jesus.

Há um outro texto, no livro de Atos dos Apóstolos, algo muito parecido com todo esse culto voltado à Maria em seus muitos títulos. Em Atos 19, o apóstolo Paulo pregou contra à veneração da grande deusa Diana e a lucrosa fabricação de seus nichos feitos por um ourives chamado Demétrio (Atos 19. 23,24). Paulo já tinha convencido e afastado uma grande multidão pregando contra tal coisa ( Atos 19. 26). Havia, então, o risco de tudo ir por água a baixo: "E não somente há o perigo de que a nossa profissão caia em descrédito, mas também de que o próprio templo da grande deusa Diana seja estimado em nada, vindo a ser destruída a majestade daquela que toda a Ásia e o mundo VENERAM. E, ouvindo isso, encheram-se de ira, e clamaram, dizendo: Grande é a Diana dos efésios." (Atos 19:27, 28). E o que dizer do Santuário de Aparecida em São Paulo? Assim como na Ásia os efésios veneravam a deusa Diana, hoje católicos brasileiros e até mesmo estrangeiros veneram (cultuam) Aparecida na cidade de São Paulo. Causariam um grande tumulto pregações contra tudo o que há e é feito para Aparecida naquela região, afinal "grande é Aparecida dos católicos"!Mas, alguém pode perguntar: " E os milagres feitos pela mãe de Jesus?" É duro dizer isso, mas nisso não tem verdade. Entendamos que o maligno também agiria "com todo o poder, e sinais e prodígios de mentira, e com todo o engano da injustiça para os que perecem, porque não receberam o amor da verdade para se salvarem. E por isso Deus lhes enviará a operação do erro, para que creiam a mentira; para que sejam julgados todos os que não creram a verdade, antes tiveram prazer na iniqüidade." ( 2 Tess 2:7-12). Muitas pessoas estão sendo enganadas! São tantos milagres atribuídos à Maria que se fossem realmente divinos eu voltaria ao catolicismo, de onde vim. Há aqueles que se enganam com ideias de que a "Virgem Maria" aparece com mensagens a nos passar, mas somente
Jesus tem as palavras de vida eterna (João 6.68).

Se temos que procurar salvação, proteção, socorro e auxílio em Deus através de Maria, eu recuso, pois somente Jesus salva aqueles que POR ELE se chegam a Deus e intercede por eles ( Hebreus 7:25).  Portanto, dizer que Maria intercede por nós quando, através dela, queremos salvação de Deus é colocar Jesus como um ser sem importância na nossa vida. Maria foi a mãe de Jesus, mas o nome dela não é superior ao dele ( Filipenses 2.9). Maria é chamada de abençoada (bem-aventurada) porque Deus "atentou  na baixeza de sua serva"! ( Lucas 1.48). E baixeza significa que Maria foi como qualquer outra mulher que servia à Deus. É preciso que entendamos isso e creiamos que somente à Jesus foi dado todo o poder no céu e na terra ( Mateus 28.18), e que Ele é "cheio de graça e de verdade." (João 1:14), que somente Ele pode perdoar pecados, nos guardar e nos salvar. Só quem tiver dúvida desta verdade continuará venerando à Maria com seus títulos e lhe atribuindo poderes que são de Jesus.

"Católicos: um rebanho cada vez menor", diz matéria de jornal capixaba

O título da matéria no Jornal A Gazeta é: "Católicos: um rebanho cada vez menor"

Acompanhe...

Nos últimos 20 anos, o percentual de fiéis caiu de 83% da população para 67,84%, o que tem preocupado a cúpula da Igreja no Brasil






Nos últimos anos a Igreja Católica no Brasil vê seu rebanho diminuir a cada nova pesquisa sobre a religiosidade da população. Diminuição que preocupa até mesmo a cúpula do clero, que abordou o tema  durante a 50ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), realizada entre os dias 17 e 26 de abril. Na ocasião, o  padre jesuíta Thierry Lienard, do Instituto Brasileiro de Desenvolvimento (Ibrades), organismo vinculado à CNBB, apresentou  dados do estudo intitulado “Mapa das Religiões”, da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

E as constatações não são nada animadoras para os católicos. Nos últimos vinte anos, o percentual de fiéis caiu de 83,3% da população para 67,84% . O número é o menor desde que a população do país começou a ser recenseada, em 1872. Os dados têm como base as Pesquisas de Orçamento Familiares do IBGE, realizadas antes do Censo 2010, que ainda não teve o resultado final divulgado e pode trazer   números ainda menores.

Já os evangélicos, que eram 9% no Censo de 1991, mais que dobraram, passando para 21,93% da população. O termo é usado para determinar mais de quarenta denominações religiosas, das quais a maior é a Assembleia de Deus, com 5,77%. “O número de seguidores de Edir Macedo, da Igreja Universal do Reino de Deus, que aparece com 1% nas pesquisas é na realidade maior” estima o padre Thierry. Segundo ele, o fato de algumas pessoas se dizerem de uma religião, mas na verdade frequentarem várias,  pode ser um fator de distorção nesses números.
foto: Riccardo de Luca/AE

Causas

 
“Perdemos o povo, porque, se o número absoluto de católicos cresce, caíram os números relativos, que dizem a verdade”, afirmou durante a assembleia o cardeal dom Cláudio Hummes, que já foi prefeito da Congregação do Clero no Vaticano. Para ele, a Igreja precisa se preocupar com a evangelização dos católicos que já foram batizados. “Não basta fazer uma bela teologia em pequenos grupos”, disse durante uma das missas.

O teológo e especialista em religião de A GAZETA, Vitor Nunes Rosa, defende que não há uma perda de fiéis, mas sim  uma maior liberdade religiosa. “As pessoas estão mais encorajadas a assumir, por exemplo, que não têm religião. Sentem-se mais à vontade porque sabem que hoje é possível expressar sua posição sem sofrer represálias”, ressaltou.

Historicamente, a Igreja Católica teve, no passado, uma relação muito próxima com o Estado. Isso tornava a adesão ao catolicismo quase que obrigatória, como explica o teólogo.  “Na época do império, ser cidadão significava automaticamente ser católico. Hoje há uma pluralidade, não há religião imposta pelo Estado”, destacou.

Segundo ele, o distanciamento ocorre porque atualmente a sociedade vive uma época em que as pessoas procuram uma religião que atenda os anseios individuais. “É como  um self-service da fé”, compara. Na busca pela satisfação individual, a tendência é a rejeição a instituições, como a Igreja. “Estamos em uma sociedade líquida tão forte que  o institucional é rejeitado. A Igreja Católica passa por isso. É o mesmo que acontece na escola. O aluno quer navegar na internet , bater papo, fazer o que quiser, enquanto o professor dá aula”, apontou.

Rituais


O teólogo e professor de História do Cristianismo Wanderley Pereira destaca que até os próprios ritos podem ser uma das causas de fuga dos fiéis católicos. “Há uma incapacidade da Igreja de se atualizar liturgicamente. As pessoas perdem o ânimo de frequentar uma missa que consideram chata e desistem.  Por isso, fenômenos como o movimento carismático fazem sucesso e provavelmente tenham avançado. Não tenho dados, mas é provável que os carismáticos tenham crescido enquanto a Igreja como todo tenha diminuído ”, explicou.

Fenômenos midiáticos como os padres cantores,  que celebram missas de forma diferente ou fazem shows, também  são apontados como atrativos para essa vertente do catolicismo. “No entanto, esses padres destoam do restante da Igreja. Chamam a atenção porque fazem muito barulho, mas são poucos”, pondera.
 O posicionamento  da Igreja em  questões polêmicas que segundo o teólogo representam decisões de cunho individual - como aborto, uso da camisinha, sexo antes do casamento - também seria uma das causas do distanciamento. “A Igreja católica ainda traz muito a concepção de uma religião pública, uma tentativa de impor a sua visão à sociedade como um todo, além de interferir em temas individuais como a sexualidade e aborto. Em geral, o discurso é fundamentalista, pouco aberto ao diálogo”, pontuou.
  
Evangélicos

Também mostrado em números, o avanço dos evangélicos preocupa até mesmo o papa Bento XVI. Em setembro do ano passado, o pontífice chegou a abordar o tema durante um encontro com líderes de uma igreja evangélica alemã e uma conversa com jornalistas a caminho de Benin, na África. Ele creditou o crescimento a uma mensagem compreensiva e cultos participativos.  

Para Vitor Rosa, a vasta quantidade de igrejas que se denominam evangélicas é um fator que contribui para o crescente número desses fiéis. “É um termo muito genérico usado para os cristãos que não são católicos. Há uma fragmentação muito grande, um número grande de igrejas”, analisa.

O discurso dos chamados neopentecostais (Universal do Reino de Deus, Internacional da Graça e Mundial) é considerado como mais sedutor. “A chamada teologia da prosperidade encanta as pessoas. Eles apelam para o elemento existencialista, prometendo felicidade, curas, milagres. Também trabalham com uma espécie de sincretismo dos mais variados ritos. Esses líderes, hora se vestem como médicos, enfermeiros, pais de santo e até padre. É um universo muito vasto”, salientou.

Segundo Wanderley, a pouca interferência dessas religiões no comportamento individual dos fiéis faz com que elas se tornem compatíveis com os desejos pessoais. “A questão ética não está na agenda dos neopentecostais, assim como a questão comportamental que não é abordada. É uma religião em que a pessoa vai para ouvir benefícios, mas sem receber cobranças”, reforçou.

Uma característica desses líderes neopentecostais é a grande exposição na mídia, especialmente na televisão, como é o caso dos chamados teleevangelistas.  “Há uma agressividade nos evangelistas neopentecostais, especialmente nos televangelistas, no sentido de fazerem grandes investimentos, comprando muitas horas na mídia. Fazem um evangelismo proselitista, propropondo vantagens materiais”, ressaltou.

Mudanças na Igreja

Por outro lado, o catolicismo também possui uma preocupação em se atualizar, que, por sinal, não é nova. Há 50 anos, começava em Roma o Concílio Vaticano II, convocado pelo papa João XXIII. A reunião de bispos de todo o mundo teve várias conferências, entre 1962 e 1965.
De lá, vieram uma série de mudanças que tiveram como objetivo proporcionar uma maior aproximação com os  fiéis. Uma das principais foi o fim da missa celebrada em latim e de costas para o público. O rito passou a ser feito na língua de cada país e voltado para a assembleia. 

A participação dos leigos - fiéis comuns, não ordenados padres - também passou a ser estimulada, assim como o diálogo com outras religiões.

O estimulo à chamada “nova evangelização”, termo cunhado para definir o uso dos meios de comunicação a serviço da Igreja também foi um dos pontos defendidos pelo pontífice que encerrou o concílio, Paulo VI. Tanto que hoje,  assim como os evangélicos, os católicos também estão na mídia. Além de seis canais de TV  , a igreja tem sob a sua batuta centenas de emissoras de rádio em todo o território nacional.

Fenômenos musicais

Outro exemplo são os padres cantores, que ocupam quatro das dez  primeiras posições do ranking de venda de discos do ano passado. Padres como Marcelo Rossi e Fábio de Melo são figuras constantes nas várias redes de TV. Outro padre, Reginaldo Manzotti, diz ter o programa retransmitido por mais de mil rádios em todo o Brasil.

Essa crescente exposição da Igreja na mídia não seria, segundo Vitor Rosa, uma resposta aos protestantes. “A igreja só quer se fazer presente nesses espaços, com uso dos recursos como rádio, tv, o jornal e a música como ferramentas para a evangelização. E isso vem desde o concílio”, afirmou.

O coordenador de pastoral da Arquidiocese de Vitória, padre Kélder José Brandão Figueira, também ressalta que a igreja não tem intenção de entrar em uma disputa com as outras denominações. “Não se trata de ter uma grande quantidade de fiéis e de para isso abrir mão da tradição. A Igreja não é movida por essa lógica de competição”, ressaltou.

Na opinião do religioso, a igreja está atenta ao que chamou de “sinais” da sociedade. “Quando as pessoas aderem ao  pentecostalismo estão mostrando que alguma coisa está ficando a desejar  em termos de linguagem, moral, ou de litrugia”, frisou. Ele também destacou que os bispos estão estudando como o catolicismo pode ser comunicado de maneira diferente. “A Igreja tem uma capacidade muito grande de se adequar ao momento histórico. O catolicismo é muito rico em sua diversidade”.


Queda

 
15,46% é quanto diminuiu o rebanho dos católicos no Brasil, em 20 anos. Os evangélicos, ao contrário, passaram de 9% para 21,8% no mesmo período. A comparação é feita entre os dados do Censo de 1991 e o estudo Mapa das Religiões, divulgado em 2011 pela FGV.





Fonte: Gazeta Online e Jornal A Gazeta

Sobre a matéria, eu posso concordar com alguns no texto. Deixar o catolicismo para ser algumas igreja mencionadas na matéria é apenas mudar de lugar. De que adianta eu deixar de acreditar na água benta, na imagem, no crucifixo, etc, e depositar fé numa rosa consagrada, numa toalhinha ungida, numa botija de azeite, no sal grosso, etc, etc? De ambos os lados existe a idolatria, a supertição!