Claudio Guerra vai depor sobre desvio de dízimo da Assembleia de Deus no Espírito Santo


foto: Ricardo Medeiros
Claudio Guerra, ex-delegado e autor de vários crimes, agora é ajudante de pastor
O ex-delegado Claudio Guerra vai depor no caso que apura um possível desvio de recursos do dízimo da Assembleia de Deus

Quatro pessoas foram intimadas a depor no caso que apura um possível desvio de recursos do dízimo da Assembleia de Deus de Serra-Sede. Entre elas estão o ex-delegado Claudio Guerra e Marcos Teles, ex-chefe de gabinete do prefeito da Serra, Sérgio Vidigal.

Os dois foram apontados nas denúncias feitas à Delegacia de Defraudações e Falsificações como membros do conselho fiscal e tesoureiro. Cargos que auxiliam no controle financeiro do dinheiro da igreja. 

Vão ser ouvidos ainda o pastor-presidente da Assembleia de Deus de Serra-Sede, Délio Nascimento, e o pastor Ezequiel Nascimento, filho de Délio. "Quero saber se têm informações sobre as possíveis irregularidades ocorridas na igreja", assinalou o delegado Gilson Gomes. 

Os depoimentos estão marcados para a próxima quarta-feira. No mesmo dia será ouvido ainda Ozéias de Moura, segundo vice-presidente da Convenção das Assembleias de Deus no Estado (Cadeeso), responsável pelas diretrizes e regras de todas as igrejas da denominação.
Convite
Guerra diz que foi convidado a participar do conselho fiscal da igreja de Serra-sede, com outras duas pessoas, mas não chegou a assumir o cargo. "Não cheguei a examinar um único papel", disse. Já Teles garante que nunca foi contador da igreja. "Ocupei um cargo na tesouraria em 91", destaca. 

Claudio Guerra foi delegado da Polícia Civil. Comandou o Departamento de Ordem Política e Social (Dops). Contra ele pesam acusações de formação de quadrilha, roubo de armas, tráfico de drogas, tortura e homicídios, incluindo o de sua própria mulher. Foi acusado ainda de chefiar grupos de extermínio. Condenado a 42 anos de prisão, ficou preso por 10 anos. 

Em 2007 se converteu  enquanto cumpria pena por assassinato. Desde então se tornou presbítero da Assembleia de Deus e hoje está à frente de uma congregação no bairro Divino Espírito Santo, em Vila Velha. 

Teles foi preso em 2010 numa operação da Polícia Federal. Foi acusado de coagir testemunhas em investigação sobre um suposto esquema de desvio de verbas da Prefeitura da Serra para fins de utilização em campanha eleitoral.
Leia também
Denúncia aponta: igreja deve R$ 350 mil a fornecedores
Fonte: CBN Ntícias e Gazeta Online

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por visitar meu blog!