Dízimo nas igrejas: milhões arrecadados e livres de fiscalização

Dízimo nas igrejas: milhões arrecadados e livres de fiscalização

Letícia Cardoso - lcardoso@redegazeta.com.br
Vilmara Fernandes - vfernandes@redegazeta.com.br

Dinheiro dos fiéis desviado, depositado em conta de pastores e até transportado em malas para outros países. As denúncias que pipocam todos os dias refletem o desmando e a falta de fiscalização pública com a arrecadação milionária das igrejas, que em 2009 foi de R$ 303 milhões no Estado, segundo a Receita Federal.

O dado refere-se a 897 igrejas que têm registro na Receita Federal no Espírito Santo. Mas a cifra pode ser ainda maior, uma vez que são as próprias igrejas que dizem ao fisco quanto arrecadaram. Não há notas ou recibos que comprovem a origem desses valores. Cálculos feitos só com base no número de evangélicos apontam que a arrecadação pode chegar a R$ 520 milhões por ano.

A necessidade de fiscalização parece mais relevante quando se leva em conta o fato de as igrejas contarem com imunidade tributária garantida pela Constituição Federal. Elas são isentas de pagar impostos a municípios, Estado e União. Algo que muitos , como o advogado tributarista Ricardo Dalla, defendem que precisa ser revisto. “As igrejas são tratadas com liberdade total. A elas é dada carta branca, sem uma fiscalização pública efetiva. Isso precisa mudar”, diz.

Imunidade
Dalla destaca que para ter imunidade tributária é preciso provar a prestação de um serviço público essencial. Mas explica que hoje não existe autoridade pública que faça a conferência dos serviços efetivamente prestados pelas igrejas.

As denominações religiosas são obrigadas a apresentar à Receita Federal uma declaração anual de informações de pessoas jurídicas (DIPJ), em que dizem o quanto arrecadaram no ano e como aplicaram os recursos. Eventualmente é feita uma outra declaração de créditos de tributos federais, quando precisam quitar algum tipo de débito.

Fora isso, suas receitas não passam por  acompanhamento público. As irregularidades só são encontradas a partir de denúncias ou de indícios de fraude, sonegação ou enriquecimento ilícito. “Quando há algo que nossas análises indiquem”, diz Ivon Pontes Schayder, delegado-adjunto da Receita Federal.

O acompanhamento da arrecadação do dízimo, que vai desde a doação até a entrada no caixa – incluindo a aplicação do dinheiro –, acaba sendo feito pelas próprias igrejas. E cada uma adota suas  regras.

Vulnerável
Esse é um processo que o Ministério Público Estadual aponta como vulnerável, pois as doações em geral são feitas em dinheiro, sem nota ou recibo, e passam pelas mãos de inúmeras pessoas. E em qualquer etapa podem ocorrer irregularidades. A Igreja Evangélica Batista de Vitória chegou a receber doações do advogado Beline Ramos, acusado de sonegação fiscal.

No último mês duas igrejas – a Cristã Maranata e a Assembleia de Deus – foram alvo de denúncias. Na primeira, mais de R$ 20 milhões podem ter sido desviados por meio de notas frias, empresas laranjas e envios de recursos para o exterior na mala dos fiéis. Um dos acusados é seu vice-presidente – agora afastado –, o pastor Antônio Ângelo Pereira dos Santos.

Sobre a Assembleia de Deus em Serra-Sede, a polícia confirmou que recursos de dízimos vêm sendo depositados, nos últimos seis anos,  nas contas particulares de pastores, incluindo a do presidente da igreja, Délio Nascimento.
Uma alternativa para evitar esse tipo de problema poderia ser a adoção de métodos de gestão mais modernos, semelhantes ao da iniciativa privada. “A adoção de técnicas de controle é fundamental”, diz a pastora luterana Rosane Pletsch, presidente do Conselho Nacional das Igrejas Cristãs (Conic).

Rosane observa que as igrejas precisam estar na vanguarda nos processos de transparência e de controles públicos e sociais. “As igrejas fazem parte da sociedade. E esse tipo de fiscalização não fere o cristianismo, que sempre zelou pelo justo e correto.”

O problema é que as denominações religiosas no Brasil, assinala a pastora, ainda estão ancoradas em uma imagem de que o sagrado é bom, justo e, portanto, isento de qualquer tipo de acompanhamento. “As igrejas são pecadoras, têm estruturas humanas e falhas”, observa a pastora.

Ela vai ainda mais longe ao destacar que as igrejas só são instituições privadas no que diz respeito à fé, a seus ritos, à confessionalidade. “No mais, são instituições públicas”, acrescenta. O assunto será tema da próxima reunião do Conic, prevista para as próximas semanas.

Metodologia
No Estado mais de 1,1 milhão de pessoas – quase um terço da população – são evangélicas. Desse total, pelo menos 85% contribuem com o dízimo, segundo a última pesquisa realizada pela Revista Comunhão. Foi com base nesses dados que a Merccato Inteligência Competitiva fez os cálculos do quanto as igrejas evangélicas arrecadam por ano, um total que pode chegar a R$ 520 milhões.

O diretor da Merccato, Anselmo Hudson, explica que a dificuldade para se chegar a um valor exato do quanto é arrecadado está no comportamento dos fiéis. Nem todos frequentam a igreja com assiduidade, contribuem com o dízimo ou pagam exatamente os 10% previstos na Bíblia.

A maior parte da população capixaba é católica, chegando a quase 60%. E na Igreja a dificuldade de se obter o total da arrecadação também é grande. A Arquidiocese de Vitória não divulgou seus valores.

Associação de ateus quer fim da isenção tributária de igrejas

A imunidade tributária das igrejas virou tema de discussão nas redes sociais. No Facebook a campanha “Fim da imunidade tributária das igrejas. Eu apoio”, foi encampada pela Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos. Segundo seu fundador e presidente, Daniel Sottomaior, essa imunidade fere o Estado laico, que é neutro em relação às questões religiosas. “É um privilégio que faz com que um seja diferente do outro. Devemos ser todos iguais”, assinalou Daniel.

A associação reconhece que a proposta é praticamente impossível de se tornar um projeto de lei, visto que política e religião estão atreladas em um interesse comum. “Hoje uma eleição é decidida em propostas da base evangélica e católica”, disse Daniel.

Para a instituição a imunidade abre espaço para a prática de crimes, principalmente os fiscais, já que há uma ausência de fiscalização da arrecadação das igrejas. “É impossível controlar essas movimentações”, afirmou.

Uma outra proposta da associação é criar uma lei federal que exija uma prestação de contas de todas as entidades que se utilizam da imunidade religiosa. “Seria uma lei difícil de ser cumprida. Mas só dela alcançar 10% das maiores igrejas do país estaria de bom tamanho”, destacou.

Fonte: CBN

Quem é o seu pastor?


“O Senhor é o meu pastor; nada me faltará”. Salmo 23:1

QUEM É O SEU PASTOR?
“O Senhor é o meu pastor; nada me faltará”. 
Salmo 23:1 
Lembro de um cântico infantil: 
“O meu Pastor é Cristo, com Ele andarei. 
Conduz-me às calmas águas, com Ele andarei. 
Sempre, sempre, com Ele andarei. (2X) 
Quem é o seu pastor, meu prezado leitor?
Davi afirma que o próprio Deus é o seu pastor! Ele está feliz com o seu pastor. 
Compôs muitos salmos bendizendo, glorificando, exaltando e louvando o seu pastor. 
O mais conhecido e lido em todo o mundo é o que segue: 
“O Senhor é o meu pastor; nada me faltará. Ele me faz repousar em pastor verdejantes. Leva-me para junto das águas de descanso; refrigera-me a alma. Guia-me pelas veredas da justiça por amor do seu nome.
Ainda que eu ande pelo vale da sombras da morte, não temerei mal nenhum, porque tu estás comigo: a tua vara e o teu cajado me consolam. Preparas-me uma mesa na presença dos meus adversários, unges-me a cabeça com óleo; o meu cálice transborda. Bondade e misericórdia certamente me seguirão todos os dias da minha vida; e habitarei na casa do Senhor para todo o sempre”.
Hoje Davi diria: Jesus é meu pastor; nada me faltará. O cuidado, a proteção, o alimento, a direção certa na vida. Tenha em Jesus o seu pastor também. Amém.
Rev. Dr. Caruso Godinho - Capelão do H.E.C.I.
 2.3.2012 - Redação do Jornal Folha do ES

Líder do AfroReggae acusa pastor Marcos Pereira de tramar sua morte

Líder do AfroReggae acusa pastor de tramar sua morte

José Júnior acusa o pastor Marcos Pereira, líder da igreja Assembleia de Deus dos Últimos Dias, de tramar sua morte, de ameaçar um ex-pastor que hoje integra o AfroReggae, de tentar desmoralizar o AfroReggae

AGÊNCIA ESTADO

foto: Divulgação
José Júnior
José Júnior acusa pastor de tramar a sua morte
A Delegacia de Combate às Drogas (Dcod) do Rio abriu inquérito nesta quarta-feira (29) para apurar as denúncias do coordenador da ONG AfroReggae, José Júnior, contra o pastor Marcos Pereira, líder da igreja Assembleia de Deus dos Últimos Dias. Os dois atuam como mediadores, tentando convencer criminosos a se entregar à polícia e mudar de vida. Tanto o AfroReggae como a igreja promovem atividades de assistência social. O ativista acusa o pastor de tramar sua morte, de ameaçar um ex-pastor que hoje integra o AfroReggae, de tentar desmoralizar o AfroReggae, de ter incitado os ataques de traficantes no Rio no final de 2006 e em 2010, quando as forças de segurança ocuparam o Complexo do Alemão, e até de abuso sexual.

As acusações foram feitas durante conversa de José Júnior com jornalistas na Assembleia Legislativa do Rio, onde se reuniu com o deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL), presidente da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania. José Júnior afirmou que dispõe de até dez testemunhas capazes de comprovar as articulações criminosas do pastor. Segundo o líder do AfroReggae, ao estimular ataques e rebeliões nas quais acaba atuando como mediador, o pastor Marcos ganha destaque e amplia sua influência política.

Conforme José Júnior, um ex-pastor e atual mediador do Afrorreggae, Rogério Menezes, é ameaçado de morte desde 2009, quando deixou a igreja de Marcos Pereira. O próprio Júnior já teria sido ameaçado de morte, segundo contou, por traficantes influenciados pelo pastor. Júnior afirmou ainda que, caso sejam encontradas drogas ou armas na sede do AfroReggae, será uma armadilha preparada pelo pastor para desmoralizar a entidade. Ele afirma que não recebe proteção policial nem usa carro blindado, porque sua atuação como mediador não seria condizente com esses recursos.

O pastor Marcos Pereira, de 56 anos, tornou-se conhecido por seus cultos em cadeias, pontuados por exorcismo, e negociações durante rebeliões. A mediação mais conhecida foi na Casa de Custódia em Benfica (zona norte), em maio de 2004, quando negociou o fim de uma rebelião que durava três dias. Em nota, o pastor afirmou que recebeu "com surpresa e indignação" as denúncias.

"As acusações que contra mim são feitas, graves e que agridem a minha honra pessoal, a imagem da Igreja que presido e sobretudo a obra que realizamos ao longo destes últimos 20 anos, precisam ser investigadas para que a verdade aflore e esta farsa forjada pelo meu acusador, cujo objetivo, me parece, é tão somente o de autopromoção, seja desmontada", afirma a nota. "Trabalhar com criminosos visando a sua recuperação é diferente de se envolver com criminosos, e esta fronteira eu nunca ultrapassei. Recorrerei à Justiça dos homens, para a reparação devida. Quanto à Justiça de Deus, não tenho dúvida de que será feita", acrescentou.
 Fonte: Gazeta Online (Extraído do Agência Estado)

Claudio Guerra vai depor sobre desvio de dízimo da Assembleia de Deus no Espírito Santo


foto: Ricardo Medeiros
Claudio Guerra, ex-delegado e autor de vários crimes, agora é ajudante de pastor
O ex-delegado Claudio Guerra vai depor no caso que apura um possível desvio de recursos do dízimo da Assembleia de Deus

Quatro pessoas foram intimadas a depor no caso que apura um possível desvio de recursos do dízimo da Assembleia de Deus de Serra-Sede. Entre elas estão o ex-delegado Claudio Guerra e Marcos Teles, ex-chefe de gabinete do prefeito da Serra, Sérgio Vidigal.

Os dois foram apontados nas denúncias feitas à Delegacia de Defraudações e Falsificações como membros do conselho fiscal e tesoureiro. Cargos que auxiliam no controle financeiro do dinheiro da igreja. 

Vão ser ouvidos ainda o pastor-presidente da Assembleia de Deus de Serra-Sede, Délio Nascimento, e o pastor Ezequiel Nascimento, filho de Délio. "Quero saber se têm informações sobre as possíveis irregularidades ocorridas na igreja", assinalou o delegado Gilson Gomes. 

Os depoimentos estão marcados para a próxima quarta-feira. No mesmo dia será ouvido ainda Ozéias de Moura, segundo vice-presidente da Convenção das Assembleias de Deus no Estado (Cadeeso), responsável pelas diretrizes e regras de todas as igrejas da denominação.
Convite
Guerra diz que foi convidado a participar do conselho fiscal da igreja de Serra-sede, com outras duas pessoas, mas não chegou a assumir o cargo. "Não cheguei a examinar um único papel", disse. Já Teles garante que nunca foi contador da igreja. "Ocupei um cargo na tesouraria em 91", destaca. 

Claudio Guerra foi delegado da Polícia Civil. Comandou o Departamento de Ordem Política e Social (Dops). Contra ele pesam acusações de formação de quadrilha, roubo de armas, tráfico de drogas, tortura e homicídios, incluindo o de sua própria mulher. Foi acusado ainda de chefiar grupos de extermínio. Condenado a 42 anos de prisão, ficou preso por 10 anos. 

Em 2007 se converteu  enquanto cumpria pena por assassinato. Desde então se tornou presbítero da Assembleia de Deus e hoje está à frente de uma congregação no bairro Divino Espírito Santo, em Vila Velha. 

Teles foi preso em 2010 numa operação da Polícia Federal. Foi acusado de coagir testemunhas em investigação sobre um suposto esquema de desvio de verbas da Prefeitura da Serra para fins de utilização em campanha eleitoral.
Leia também
Denúncia aponta: igreja deve R$ 350 mil a fornecedores
Fonte: CBN Ntícias e Gazeta Online

Nem sexo, nem beijo: Jovens cristãos evangélicos esperam o amor

Nem sexo, nem beijo: eles esperam o amor

Jovens do movimento "Eu Decidi Esperar" são felizes com a escolha

25/02/2012 - 14h42 - Atualizado em 25/02/2012 - 14h42
A Gazeta (Vitória-ES)
Guilherme Sillva
gusilva@redegazeta.com.br

Eles não fazem sexo antes do casamento. Não beijam na boca durante o namoro. Não saem para boates. E acreditam em casamento eterno. Nada disso, porém, tem sido empecilho para a expansão do movimento "Eu Decidi Esperar", que prega o sexo só depois do casamento e é liderado pelo pastor Nelson Júnior, 35 anos.
foto: Carlos Alberto Silva
Membros da Igreja Assembléia de Deus Bethel que fazem parte do movimento
Liderados pelo pastor Nelson Júnior (de branco), jovens fazem parte de movimento que reúne milhares de seguidores

Ao contrário, em cultos super animados, o capixaba tem levado uma multidão de jovens no mesmo propósito. Recentemente em Manaus, foram 10 mil pessoas. Neste sábado, em Vitória, mais um enorme grupo se reuniu. Nas redes sociais, onde o movimento se propagou como vírus, são 320 mil seguidores no Facebook e 13 mil no Twitter. Com um sorriso o pastor diz: "Eu sou um homem de uma mulher só. Por isso passei ileso por todo sofrimento. Saber esperar é uma forma de amar".

Mobilização

"Eu Decidi Esperar" é muito maior que um movimento de pró-sexualidade. O propósito é ter uma vida sexualmente correta e uma vida emocionalmente saudável. Não adianta guardar o corpo e esquecer o coração.

Campanha

A área sentimental é a que mais aflige o solteiro, gerando sofrimento. A campanha é para conscientização de como viver a liberdade sem avançar. É uma forma de viver de forma não-leviana.

Preconceito

Principalmente os mais jovens têm preconceito contra o movimento, principalmente através de chacotas pela internet. Eles acreditam que somos assexuados ou que temos problemas nessa área. As pessoas não acreditam na opção.

Sexo

Pregamos que o sexo deve ser feito só após o casamento. É esperar para que as experiências sejam realizadas no casamento em sua plenitude. Mas o foco maior é uma vida emocionalmente saudável.

Camisinha

Como pregamos o sexo só após o casamento e a fidelidade entre o casal, não vemos necessidade do uso da camisinha. O sexo seguro é se guardar para o casamento.

Escolha

O objetivo é que o jovem escolha ser homem de uma mulher só. E vice-versa.

Não-virgens

Cerca de 60% dos jovens que nos seguem não são mais virgens e são orientados a se guardarem. Chamamos eles para assumirem o compromisso de se guardarem para o casamento. Nunca é tarde para recomeçar.

Princesas e príncipes

A pastora Sarah Sheeva (filha de Baby do Brasil e Pepeu Gomes) é uma parceira e trabalhamos juntos. Ela vai fazer o "culto das princesas" e eu o "culto dos homens de verdade". Tem que se comportar como príncipe ou princesa. Quem gosta de periguete é cafajeste.

"Camisinha vira autorização para pecar", diz líder católico

A corrente pelo sexo só após o casamento também se propaga entre os jovens da Igreja Católica, que tem o movimento intitulado "Namoro Santo". "O namoro é tempo de espera pelo outro. A castidade educa para o auto conhecimento, respeito e doação ao outro", explica Carlos Maximiliano, coordenador estadual do ministério Jovem da Renovação Carismática

Segundo ele, os jovens católicos estão se propondo a seguir as doutrinas, apesar das dificuldades enfrentadas com o mundo atual. "O jovem tem que se conhecer e buscar seguir a doutrina", diz.

O coordenador é taxativo em dizer que "namoro que não é santo não é namoro de verdade". Sexo, também só após o casamento. Beijo na boca, abraços e carinhos moderados também são permitidos. "É uma decisão própria, mas procuramos evitar carícias maliciosas", conta. Sobre o uso da camisinha, o membro da Igreja Católica é direto. "Se não vou fazer sexo, não preciso carregá-la comigo. A camisinha acaba se tornando uma autorização para pecar".

Análise
"Jovens estão cansados do liberalismo sexual"
Vitor Nunes Rosa, teólogo e filósofo

A questão dos jovens que têm optado pelo sexo após o casamento é um propósito do cristianismo. As igrejas têm valorizado a castidade como valor da vida cristã. Ser casto não significa abster do sexo, mas é um estado de vida pura. A castidade significa fidelidade entre o casal.

No caso dos jovens é a opção por não ter uma vida sexual antes do casamento. Hoje as pessoas têm visto que vivemos em uma sociedade moderna e que tem outros valores. Os jovens perceberam que estão se tornando "mercadoria" e, por isso, a grande busca deles é não se manifestar como "objeto de consumo".

Todo esse movimento é um cansaço do liberalismo sexual, onde tudo ficou banalizado. Não se trata de moralismo, eles estão dando um sentido maior à vivência da realidade. A escolha pela castidade é uma comunhão entre as pessoas e as igrejas têm exercido um papel fundamental nesse processo.


Fonte: Jornal A Gazeta e Gazeta Online

Dízimo vai parar na conta de pastores de Assembléia de Deus na Serra-ES

Dízimo vai parar na conta de pastores

Há suspeita de enriquecimento ilícito de um pastor na Serra

27/02/2012 - 23h38 - Atualizado em 27/02/2012 - 23h38
A Gazeta
foto: Edson Chagas
Fachada da igreja Assembléia de Deus, na rua Major Pissarra, em Serra Sede - Editoria: Cidade - Foto: Edson Chagas
Unidade alvo de denúncia fica em Serra-Sede e é responsável por 82 templos


Letícia Cardoso
lcardoso@redegazeta.com.br
Vilmara Fernandes
vfernandes@redegazeta.com.br

A polícia está investigando um possível desvio dos recursos provenientes do dízimo da Assembleia de Deus da Serra-Sede. A unidade, que é responsável por 82 templos, chega a arrecadar R$ 115 mil por mês. Até agora, segundo a polícia, já foi comprovado que os valores estavam sendo depositados nas contas pessoais de pastores. As denúncias apontam ainda para o enriquecimento ilícito do pastor-presidente da igreja, Délio Nascimento, que teria patrimônio superior a R$ 6 milhões.

O caso está sendo investigado pela Delegacia de Defraudações e Falsificações. Segundo o delegado Gilson Gomes, a polícia apura se os valores depositados nas contas do pastores foram de fato desviados. "Se as informações forem configuradas, isso se caracteriza como apropriação indébita", disse.
Leia também:
Denúncia aponta: igreja deve R$ 350 mil a fornecedores
A denúncia, também protocolada no Ministério Público Estadual, aponta para outras irregularidades. Entre elas, a compra de carros e a venda de imóveis envolvendo o nome da igreja. Revela também um volume de dívidas, no nome da igreja, que gira em torno de R$ 350 mil.
Depoimentos

Ontem, três pastores prestaram depoimento na delegacia. Um deles é o tesoureiro da igreja, Amazildo Gonçalves dos Santos, que confirma ter recebido, nos últimos seis anos, depósitos de dízimos em sua conta. O valor, segundo ele, totalizaria R$ 800 mil. Seu argumento é de que os recursos serviram para cobrir despesas que fazia em nome da instituição. "Como a conta da igreja estava inativa, acabava pagando as despesas com meu cheque", argumenta.

O segundo tesoureiro, o pastor Henrique Gonçalves, confirmou ter feito depósitos na conta de Amazildo. Segundo o texto do seu depoimento, isso aconteceu após "receber uma ligação em que ele alegava ter emitido alguns cheques que precisavam ser cobertos".

Gonçalves acrescentou que tudo foi feito com anuência do pastor-presidente da igreja, Délio Nascimento. "Fiz tudo cumprindo ordens quando assumia a primeira tesouraria na ausência do Amazildo", afirmou à GAZETA.

Já o pastor Francisco Alves Feitoza diz que, durante um ano e dois meses, fez vários depósitos na conta de Délio Nascimento e na de Amazildo. "Foram vários depósitos, mas não me recordo do montante", assinalou ele, em depoimento.

Preocupado com a denúncia, que classificou como infundada, o pastor Délio Nascimento, se defendeu, citando o caso de desvio de dízimos ocorrido na Igreja Maranata e denunciado com exclusividade por A GAZETA: "A igreja tem uma gestão nada parecida com a da Maranata. Abro todo o sigilo financeiro", disse.

Nascimento foi categórico ao descartar qualquer irregularidade na Assembleia que administra. Afirma que as contas particulares eram emprestadas para cobrir as despesas da igreja. "Não trabalhamos com gestão centralizada. Cada pastor é responsável por sua igreja", frisa Délio, que deve prestar depoimento nos próximos dias.

O assunto também será avaliado pela Convenção das Assembleias de Deus no Estado (Cadeeso), que dá as diretrizes a todas as unidades no Estado. O primeiro vice-presidente da Cadeeso, pastor Arnaldo Candeias, adiantou que não há orientação para que o depósito de dízimo seja feito em contas particulares. "Nunca vi isso em lugar nenhum. Todas as igrejas devem ter suas próprias contas", ressalta.


Maranata também é investigada

Outra denominação evangélica é alvo de investigações da polícia, além de ser analisada também pelos Ministérios Público Estadual e Federal. Trata-se da Igreja Cristã Maranata, onde um esquema para desviar recursos provenientes do recolhimento do dízimo foi montado na cúpula da instituição.

A informação foi publicada com exclusividade por A GAZETA em 5 de fevereiro. Há indícios do envolvimento de pastores, diáconos e até fornecedores na fraude. Estimativas iniciais da igreja indicavam que o rombo é de, no mínimo,
R$ 21 milhões. A Maranata entrou com uma ação na Justiça para pedir ressarcimento de R$ 2,1 milhões.

O rombo foi identificado em uma investigação da própria igreja, que aponta a participação do então vice-presidente, Antônio Ângelo Pereira dos Santos, e do ex-contador da Maranata, Leonardo Meirelles de Alvarenga, ambos afastados de suas funções administrativas e religiosas.

O golpe era viabilizado por notas fiscais frias, que permitiam a retirada de valores do caixa da igreja. Segundo documentos obtidos por A GAZETA, as notas eram emitidas por fornecedores do Presbitério da Maranata. Há indícios de que empresas foram criadas para essa finalidade. Os envolvidos alegavam que o dinheiro serviria para "ajudar irmãos no exterior".

Fonte: Gazeta Online

Eu sou...

"E disse Deus a Moisés: EU SOU O QUE SOU. Disse mais: Assim dirás aos filhos de Israel: EU SOU me enviou a vós." (Êxodo 3.14).

"EU SOU o pão da vida." (João 6.48)
"EU SOU o pão da vida; aquele que vem a mim não terá fome, e quem crê em mim nunca terá sede." (João 6.35)
"EU SOU o pão vivo que desceu do céu; se alguém comer deste pão, viverá para sempre; e o pão que eu der é a minha carne, que eu darei pela vida do mundo." (João 6.51).
"EU SOU o que testifico de mim mesmo, e de mim testifica também o Pai que me enviou." (João 8:18)
"EU SOU a luz do mundo; quem me segue não andará em trevas, mas terá a luz da vida." (João 8.12)
"EU SOU a luz que vim ao mundo, para que todo aquele que crê em mim não permaneça nas trevas." (joão 12.46)
"EU SOU a porta; se alguém entrar por mim, salvar-se-á, e entrará, e sairá, e achará pastagens." (João 10.9).
"EU SOU o bom Pastor; o bom Pastor dá a sua vida pelas ovelhas." (João 10.11)
"EU SOU o bom Pastor, e conheço as minhas ovelhas, e das minhas sou conhecido."( João 10.14).
"EU SOU a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá" (João 11:25).
"Eu sou a videira verdadeira, e meu Pai é o lavrador." (João 15.1)
"EU SOU a videira, vós as varas; quem está em mim, e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer." (João 15.5)
"EU SOU o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim." (João 14.6).
"EU SOU o Alfa e o Omega, o princípio e o fim, diz o Senhor, que é, e que era, e que há de vir, o Todo-Poderoso."( Apocalipse 1:8).
"EU SOU a raiz e a geração de Davi, a resplandecente estrela da manhã."( Apocalipse 22:16).
"E vós, quem dizeis que EU SOU?" (Mateus 16:15)

"Desde agora vo-lo digo, antes que aconteça, para que, quando acontecer, acrediteis que EU SOU." (João 13.19). " Em verdade, em verdade vos digo que antes que Abraão existisse,EU SOU" (João 8.58). "...se não crerdes que EU SOU, morrereis em vossos pecados. " (João 8:24).