O diabo entra na briga entre Edir Macedo e Valdemiro

Pastores recorrem até ao inferno para vencer guerra por fiéis no mercado da fé. Igreja Universal, de Macedo, perde fiéis e receita para a Mundial, de Valdemiro.

Edir Macedo, durante a cerimônia de inauguração da Record News, na cidade São Paulo
As entrevistas com o demônio para difamar a concorrência passaram a ser recorrentes na programação da Rede Record.


Os hoje arqui-inimigos Edir Macedo, da Igreja Universal do Reino de Deus, e Valdemiro Santiago, da Igreja Mundial do Poder de Deus, convocaram o demônio para ajudá-los na batalha que travam pela alma e generosidade dos fiéis. Recentemente, em seu programa de TV, Macedo “interrogou” o diabo, que, supostamente encarnado em uma devota, “confessou” ter se instalado na igreja rival e ser o responsável pelas propaladas curas operadas por Valdemiro. As entrevistas com o demônio para difamar a concorrência passaram a ser recorrentes na programação da Rede Record.

O chefe da Mundial, por sua vez, rebateu as acusações com outras de igual fineza: em seu programa no Canal 21, ele afirmou que o “câncer” de Macedo é obra do demônio. Na tréplica, Macedo levou sua médica à TV para atestar que não sofre da doença e ainda exibiu no programa Domingo Espetacular, da Rede Record, uma reportagem sobre a compra, por Valdemiro, de três fazendas avaliadas em 50 milhões de reais.

O acirramento da guerra dos pastores se dá num momento em que a Universal, de Macedo, perde fiéis e receita aos borbotões para a Mundial, de Valdemiro. Estima-se que, em catorze anos, o segundo tenha conquistado mais de 20% de seguidores do primeiro. Durante muito tempo, Valdemiro foi membro da cúpula da Universal. Preterido por Macedo na indicação para um posto de maior visibilidade na organização, ele rompeu com o chefe e fundou a sua própria igreja. Habilidoso, deu um passo atrás e resgatou o modelo primitivo que deu origem ao fenômeno da Universal: a luta contra Lúcifer e a promessa de curas e milagres de toda ordem — pilares que Macedo mais tarde substituiu pela “teologia da prosperidade”.

Ao adotar essa estratégia, Valdemiro passou a atender um nicho de fiéis que Macedo havia negligenciado com o amadurecimento do seu negócio, o público de menor poder aquisitivo e alta credulidade. Seus seguidores passam horas de pé em filas para poder tocar o seu corpo ou recolher um pouco de seu suor em toalhas ou pedaços de pano que são distribuídos na igreja. Valdemiro fomenta a crença de que sua transpiração tem o condão de realizar milagres.

Com os cofres recheados, Valdemiro passou a assediar os membros da Universal. Oferecendo salários e comissões mais altos que os pagos por Edir Macedo, ele atraiu prepostos do rival na Argentina, Inglaterra e em países africanos. Para profissionalizar seus negócios, canibalizou executivos da Record e do Banco Renner, controlado pela Igreja Universal. A riqueza que Valdemiro Santiago ostenta Macedo contabiliza como prejuízo.

O estrangulamento de suas contas pela concorrência chegou a afetar as operações da Record e a atrasar salários na TV, como ocorreu no ano passado. O quadro de deterioração das finanças de Macedo se tornou ainda mais calamitoso com a penhora pela Justiça da sede da emissora no Rio de Janeiro para garantia do pagamento de dívidas da Universal do Reino de Deus.

A má fase não terminou aí. Em setembro, o Ministério Público denunciou Edir Macedo pelos crimes de estelionato, evasão de divisas, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica. Os procuradores o acusam de lavar no exterior o dízimo recebido pelos fiéis para depois despejá-lo nas contas da Record.

Ao lançar suspeitas sobre a forma como Valdemiro adquiriu suas fazendas, Macedo quer mostrar que o ex-discípulo também dá suas trombadas com a lei. Valdemiro já esteve enroscado em outras diabruras. Em 2003, o chefão da Mundial foi condenado a pagar cestas básicas por porte ilegal de armas. Ele foi flagrado em uma blitz com uma escopeta, duas carabinas e munição. Em 2010, três de seus pastores foram presos em Mato Grosso do Sul transportando sete fuzis M-15. Em depoimento à polícia, o motorista afirmou que o destino das armas era a cidade de Niterói, no Rio de Janeiro.

A crise desencadeada pela Mundial do Poder de Deus obrigou Macedo a redesenhar a administração de seu negócio. Uma das providências foi baixar as exigências para a abertura de novos templos. Antes, para abrir uma franquia, o pastor tinha de comprovar um potencial de arrecadação mínimo de 150 000 reais mensais, a ser atingido em seis meses. Agora, esse piso caiu para 50 000 reais. A comissão a que cada pastor tinha direito sobre o total arrecadado além da meta era originalmente de 10%. Macedo agora a dobrou. O que ele não abre mão é da eficiência.

Os pastores que não cumprem as metas dentro do prazo contratado são transferidos ou perdem o comando da franquia. Essa mudança, que aponta para uma capilarização da Universal, faz parte da estratégia de Macedo de substituir o modelo de construção de megatemplos pela pulverização de igrejas menores no país, de manutenção mais barata e mais próximas da casa dos fiéis. Com isso, ele espera baixar os seus custos de operação e evitar que outras ovelhas se desgarrem. Pastores e assessores próximos dos dois líderes afirmam que estes são apenas os primeiros movimentos de uma guerra sem previsão de fim.

Com informações Revista Exame



Como remover os lobos dos púlpitos


Removendo os lobos dos Púlpitos


...e puseste à prova os que dizem ser apóstolos, e o não são, e tu os achaste mentirosos.Apocalipse 2:2


Muitos pregadores se tornaram profissionais de altar. Pregam bem, manipulam a unção do ambiente, causando a impressão de que são espirituais, mas na verdade são pessoas que não tem o coração no Reino de Deus.


Altivos, egocêntricos, carnais, alguns manifestam até poderes demoníacos, espírito de anti-cristo.


Nem sempre o falso profeta sabe que é falso profeta. São tomados por espírito de engano, e se possível enganam até mesmo os escolhidos.


Abaixo eu relaciono alguns testes para descobrir quem não deve subir no altar de sua igreja:



1) Teste de integridade: Procure observar como é a vida pessoal do pregador, incluindo casamento, relação com os filhos, caráter, sinceridade (caráter vale mais do que carisma). 




2) Veracidade:  Veja se o pregador não é mentiroso ou exagerado. O que não falta são contadores de história. Exageram nos testemunhos, nos sinais, no número de membros da igreja. São filhos do “pai da mentira”.




3) Teste da humildade:  Você precisa abençoar o pregador, pois isso é bíblico. Mas procure observar nas“entrelinhas da negociação”, se este pregador lhe trata com humildade. Mas não se esqueça, que o pregador tem direito de dizer o que ele precisa. A humildade não é percebida pela maneira que a pessoa se posiciona.




4) Teste dos sinais permanentes:  Não queira apenas agitadores de massas. Muitos pregadores chegam na igreja, sacodem a alma do povo, geram emoções, motivações, mas quando vão embora, as “luzes espirituais” se apagam. Procure frutos que permaneçam.


5) Teste do mundo real: Cuidado com as pregações fantasiosas. Existem pessoas que pregam uma mensagem tão transcendente, que não serve de nada para o dia a dia do ouvinte.




6) Teste da transferência de unção: Antes de deixar o pregador colocar as mãos sobre a cabeça de seu rebanho, procure discerni-lo bem.
Se houver dúvidas, não deixe!Também é importante observar como a vida da pessoa está, dias depois da “imposição de mãos”.
Existem muitos pregadores que pregam uma coisa com a boca, mas transferem “outra coisa” na imposição de mãos.




7) Teste da ética: Cuidado com aqueles que dizem: “ … se Deus mandou eu falar, falo …”.
Muitos usam este argumento para falar o que querem, destruindo assim projetos e conceitos das igrejas que visitam. Se Deus tem algo para a igreja, primeiro ele vai confirmar no coração do pastor local.


Tenha cuidado com aqueles que entregam “revelações” no altar de sua igreja. Muitas “revelações” tornam-se cativeiros espirituais, pois quando faladas, geram “fé” no coração do ouvinte, mudando os rumos que Deus tem para o ouvinte.


Lembre-se adivinhação é contra as leis de DEUS e tem muitos pastores no altar fazendo adivinhação e muitos por não conhecer a palavra acredita que seja DEUS falando.“Meu povo sofre por não conhecer as Escrituras nem o poder de Deus”(Mateus 21.19)



Blog da Assembléia de Deus Rei das Nações em Piúma-ES

"Minha vida não será mais como era. Houve uma conversão", diz dono de uma corretora de café no Espírito Santo

"Minha vida não será mais como era. Houve uma conversão"

Dono de corretora de café no Estado, Gerson Coser revê sua vida após ter perdido uma das pernas. Ele caçava na fronteira do Brasil com a Bolívia, no mês passado, quando foi atingido por tiro

Claudia Feliz
cfeliz@redegazeta.com.br

foto: Álbum de família
Caçada feita por Gerson Coser em Moçambique - Editoria Cidades - Foto: Álbum de família
Caçada feita por Gerson Coser em Moçambique

Empresário bem-sucedido do mercado de café, com uma bela família, Gerson Coser olhou a vida sob um ângulo diferente ao longo dos seus 52 anos. Não nega que durante grande parte desse tempo foi muito materialista e egoísta. Além de trabalhar demais para ganhar dinheiro, fazer caçadas – todas dentro da lei, como faz questão de frisar – foi uma de suas fontes de prazer, que o levaram a realizar várias viagens internacionais: Bolívia, Argentina, Estados Unidos, Namíbia, África do Sul, Moçambique, Zimbábue, Botsuana e Zâmbia fazem parte da lista das terras por onde Gerson passou abatendo animais de grande porte.
E foi na última caçada de búfalos, na fronteira do Brasil com a Bolívia, que ele passou pela experiência que o faz agora ver o mundo sob um novo prisma. Atingido por um tiro de fuzil no joelho, Gerson perdeu uma das pernas. Vinte dias após a cirurgia, reaprendendo a andar, admite: "Foi uma forma de arrebatamento, dessas que Deus faz para a gente mudar. Alguém me disse que só se conhece Deus quando se fica humilde e se livra do orgulho. Estou revendo minha vida. Já não quero mais só pensar em trabalhar e ganhar dinheiro. A simples acumulação de riqueza não mais me seduz." Nesta reportagem, Gerson Coser conta, com suas próprias palavras, o drama de ter visto a morte de perto.

foto: Álbum de família
Caçada feita por Gerson Coser em Moçambique - Editoria Cidades - Foto: Álbum de família
Recomeço
Em seu apartamento na Praia de Camburi, em Vitória, Gerson Coser recupera-se da cirurgia

"Na quinta-feira após o carnaval, um carnaval especialmente tranquilo, embarquei para mais uma das minhas aventuras, que por algumas vezes quase me custaram a vida, mas sempre saindo praticamente ileso, acreditando que era sorte ou tinha um anjo da guarda me dando assistência 24 horas. Fomos à procura de búfalos num país vizinho ao Brasil, onde um amigo mantém o controle e a segurança da área. Contávamos apenas com o meu rifle.

Chegamos à cidadezinha de fronteira, na Bolívia. Andamos dez horas de barco a motor até as margens de pantanais, onde teríamos que avançar por dez horas com canoas de madeira. A região, alagada, nos forçava a comer, fazer necessidades, etc. de cima das canoas, além de um barco de alumínio sem motor. Dormiríamos em redes armadas um metro acima dágua.

Os experientes índios que nos aguardavam remaram forte até o local, nos agradando de forma muito humilde, em agradecimento por nós os livrarmos das feras introduzidas pelo homem e que ali se multiplicam de forma indiscriminada. Dois enormes touros, em especial, aterrorizavam a região, já tendo ferido e atrapalhando a pesca naquela área. Após um lanche, saímos à procura dos bichos. Desde que eu fora atacado e machucado por um desses animais em Rondônia, dez ou 12 anos atrás, me especializei na caça deles, treinando muito com meu rifle .375 H&H."

foto: Álbum de família
Caçada feita por Gerson Coser em Moçambique - Editoria Cidades - Foto: Álbum de família
Em Moçambique, Gerson  (à direita, armado) exibe um antílope abatido

O abate

"Umas duas horas depois, com braços e pernas bastante queimados e ardendo forte devido ao sol causticante, finalmente topei com as feras. Eu, meu amigo Gabetto e dois índios nos encontramos de frente com o bicho. Caprichei no tiro como pude, já que a canoa balançava muito, estava com apenas 30cm de água, e o búfalo se encontrava com água batendo acima das canelas.

Com o disparo, o animal caiu, tentando procurar forças para escapar ou atacar. Coloquei mais três tiros na sua traseira, mas ele continuava avançando, tendo que levar mais dois na lateral, tudo isso com ele acobertado pelo mato.

Das seis balas calibre 12 knock down que eu achava suficientes para aguentar carga se o bicho encostasse na canoa, uma entrou no couro pela costela, correndo intacta por uns 10cm. Outra bateu no chifre e caiu, e uma terceira atingiu o pescoço e tambem caiu no chão sem conseguir furar a musculatura do animal.

Fiquei vigiando o outro búfalo para não acontecer o mesmo que da outra vez, há dez anos. Enquanto abatíamos um, o outro me atacou e me quebrou todo. (Gerson refere-se a outra caçada, realizada em Rondônia).

Resolvemos deixar o bicho numa canoa ali mesmo e seguir até o acampamento, já que estava escurecendo e começava a chover torrencialmente. Após uns percalços, chegamos bem tarde, armamos as redes de selva e desabamos até o amanhecer."

Pressentimento

"O dia seguinte amanheceu pesado e cinzento, e assim eu também estava. Um pressentimento estranho me acompanhava. Não sentia nenhuma satisfação pelo enorme troféu abatido.

Calminha aí, antes de os entendidos de direitos dos animais se indignarem. Devo dizer que sou caçador legalizado há 34 anos e tenho licença para caçar em diversos países legalmente. E essa poderei intitular como a minha última caçada!

Quem vive nas cidades e tem pouco ou nenhum contato com as feras que andam soltas no mato costuma, de forma egoísta, condenar quem, por um motivo ou outro, gosta da atividade.

Nós somos primatas violentos e carnívoros, como todos os outros. A caça é que permitiu que aquelas pequenas tribos de hominídeos evoluíssem e colonizassem o planeta a partir da África. Muitas tribos em várias partes do mundo sobrevivem até hoje da caça.

Alguns seres humanos acham que evoluíram para abominar a caça, apesar de comerem sangrentos churrascos e filés. Eu não sou hipócrita, gosto da caça e de me alimentar de sua carne.

Bem, voltando ao ocorrido, acordamos e fomos em duas canoas carnear o bicho. Lá pelas 3 da tarde, chuva caindo, retornamos ao acampamento. Quando nos aproximamos fomos colocar uma roupa seca para irmos atrás do outro."

Tiro certeiro

"Eu estava agachado, Josemar em pé, atrás de mim, dentro do barco. De repente, escutei uma pancada no joelho e soube na hora que foi um tiro de fuzil que tinha entrado e cortado a artéria do meu joelho, vazado e cortado a panturrilha de Josemar, que ainda não tinha sentido o impacto.

O sangue borbulhou no meu joelho, e pedi um garrote para parar o sangramento, imediatamente. Quando cortaram minha calça, fizeram o garrote e me enrolaram numa lona de carne – e tambem ao meu amigo –, agora gemendo de dor, eu já estava no túnel de luz com sensação maravilhosa de conforto. Novamente tive a visão de seres familiares, como da outra vez que o búfalo me atacou em Rondônia.

Acordei com frio e chuva na cara. Já acomodado, perguntei aos caras, que já haviam remado as dez horas iniciais até chegarmos aos barcos a motor no rio.

Pedi a Deus e fui agraciado com outro choque, inconsciência e sensação de paz. Acordei algum tempo depois com muito frio, dor, chuva no rosto e água podre nas costas, quando o barco balançava.

Umas cinco horas depois, já tinha falado aos companheiros: ‘Não se esforcem tanto, já estou morto’. Gabetto acordou do choque perguntando onde estava. Comecei a ter falta de oxigênio e entrei num estado cataléptico."

"Deus, me leve"

"A dor era insuportável, pois o joelho estava destroçado. Comecei a pedir a Deus que me levasse, pois não aguentaria nem um minuto, quanto mais tantas horas de sofrimento.

Foi quando um ser que acredito ser Jesus ou um anjo enviado segurou na minha mão e falou: ‘Você vai ter de aguentar todo esse sofrimento porque sua família te ama demais e precisa muito de você. Sua missão aqui ainda não acabou. Mas o pé você vai perder’.

Com esse e outros diálogos que tive com esse ser, minha vida hoje não será mais como era. Houve uma conversão, uma espiritualidade se manifestou. Depois vou contar sobre isso, após ter encontros religiosos e ser mais esclarecido sobre o assunto.

Bem, depois de dez horas de canoa, mais 11 de barco, chegamos a uma fazenda que tinha telefone. Chamaram a ambulância, que demorou umas horas para chegar, mais outro tanto para chegar ao carente posto hospitalar no vilarejo próximo. Um remédio para dor que pouco adiantou – há horas já tocava os dedos e não os sentia, pois estavam comprometidos."

No hospital

"Conseguimos uma ambulância para uma cidade com recursos, a sete horas dali. Partimos naquele quebra-ossos gritando até o hospital, onde fomos atendidos. Só então liguei para minha mulher, Donatella, que imediatamente acionou meu pai e irmãos, comprou a passagem e partiu para lá com meu filho Pedro. Eu, meio sedado, soube que chegariam à 1h da manhã.

O excelente – mesmo – médico vascular que me atendeu falou que eu só teria 12 horas antes de se instalar uma septicemia. Assim, autorizamos a cirurgia, sempre acompanhados pelos médicos da família, por aqui. A vascularização só funcionou em partes do pé –, outras já estavam comprometidas.

Acordei da cirurgia com os rostos amados de Pedro e Donatella, suas mãos em volta das minhas. Já tinha falado com minha filha, que precisou ficar aqui, desconsolada."

Enterro do pé

"O médico pediu a um dos dois para ver a dissecação, exames e condições do pé até o joelho. Pedro assistiu aos procedimentos e ainda teve que ir à funerária – nem sabia que tínhamos que enterrar pé, fazer atestado parcial de óbito. Tinha falado para o médico cortar e jogar fora ou cremar, pois estava me incomodando muito – e ainda está, com a terrível dor fantasma.

Bem, depois de um dia e tendo melhorado, me colocaram junto com Donatella num jatinho UTI e, em 3h20, estava em minha amada cidade.

Dali para o apartamento do hospital, os cuidados do meu cunhado Claudio, do nosso amigo de longa data João Luís Sandri, do doutor João Batista Bonesi Rodrigues e do restante da excelente equipe de médicos e enfermeiras. Lá assisti à melhora da mãe de Michel Minassa, amigo de infância, e, infelizmente, o falecimento da querida Sônia Cabral.

Conselhos que posso passar? Tenha um excelente kit de primeiros-socorros no carro. Ele pode salvar sua vida, principalmente em lugares remotos. Muito cuidado ao dirigir e manusear armas. Considero as duas atividades radicais.

Deus existe e tem um plano para cada um de nós. Quem parte com a vida limpa parte para um lugar melhor...

Peço desculpas à minha família por ter feito com que sofresse tanto. Estou e não consigo parar de ficar emocionado com meus pais, irmãos e tios. A união da família Coser foi muito grande, mas abraçar de novo meus irmãos não tem preço."

Fonte: Jornal A Gazeta (Vitória-ES) e Gazeta Online

O crente e sua intimidade com a televisão

Vejam Só! O crente Hoje Em Dia criou uma intimidade com a televisão que parece trazer um Bem Estar para o lar cristão e para A Grande Família cristã que é a igreja, a qual mais muitos tem feito de Esquadrão da Moda.

Há cristão que, depois de uma boa Malhação, fica Rebelde em seu lar e há também aquele que entra em Pânico diante dos Casos de Família e outros Lances da Vida que o deixa com a Temperatura Máxima. Outros, depois de passarem o Sábado Animado dentro do Caldeirão do Hulck, no domingo vão à igreja querendo alcançar sua Vitória Em Cristo com as Visões de Raven. Diante de todo aquele Festival Promessa pensando nos seus Astros na igreja, algumas moças, Cheias de Charme, vivem com sua Fina Estampa parecendo Estrelas que andarão na Avenida Brasil.

E após aquele culto que foi um Show da Fé, querem deixar o seu Domingo Legal depois do culto ansiosos para dar Aquele Beijo no seu suposto Amor Eterno Amor e depois ter um Super Papo sobre Amor e Sexo até Altas Horas e ai então a coisa Esquenta! Depois os dois vão comer um Chocolate com Pimenta antes de se despedirem. Outras moças vivem aqueles momentos de Tapas e Beijos ficando com seus Corações Feridos com tantas Alfinetadas e não esquecem do que Aconteceu.

Aproveitando o seu Domingo Espetacular, o Big Brother da igreja, depois do Jogo Aberto com Os Donos da Bola, ainda quer ver algumas Belas na Rede no escuro da sala com o olhos parecendo um Corujão com a Tela Quente do seu televisor deixando o seu Domingo Maior e muito mais Fantástico. E quando está na frente da sua Tela de Sucessos esquece que sua vida espiritual está uma Zorra Total e vai para a igreja parecendo ser O Melhor do Brasil no estilo de seus Ídolos ou até mesmo como Um Maluco no Pedaço chegando ao culto Sagrado pensando que os outros são Os Caras de Pau ou até mesmo Os Esquecidos por Deus.

Por outro lado, há aqueles que acabam tendo A Grande Ideia de botarem o Pé na Estrada para ir orar no Sítio do Pica-Pau Amarelo colocando sua fé em Ação durante 24 Horas querendo Muito + de Deus vivendo o seu Momento da Sorte. Mas lá eles fazem sua Pesca Alternativa e acabam vivendo uma Aventura Selvagem...

Irmão, Tenha Estilo e procure praticar a Leitura Dinâmica e pensada da Palavra de Deus que é a Voz da Verdade e se desligue um pouco do Olhar Digital que no dia a dia te distancia de Deus, porque não disse Nada Além da Verdade! Voltemos mais a nossa atenção para o Senhor.

"Evangélica" do BBB12 em fotos sensuais...Deve estar se fazendo de fraca para ganhar as fracas!

As fotos sensuais da “crente” do BBB 12

Na Bíblia, Jesus diz que muitos o negarão. Muitos, menos eu!- você deve ter pensado, assim como eu também pensei. Mas enfim, será que nunca O negaremos mesmo?



A Jakeline era uma moça “crente”, que um dia se inscreveu e foi escolhida para participar do BBB 12. Durou uma semana no programa, mas enfim, como “crente”, durou pouco tempo porque “Deus quis”. E, talvez porque Ele não quisesse, a moçoila do interior não recebeu convites das revistas Playboy e Sexy para posar nua, como ocorre com 99% das ex-BBB’s (o 1% fica por conta das “gordinhas”, que não têm o “perfil” esperado por essas publicações).

Porém, a falta de convites para ganhar dinheiro mostrando o corpo sensualmente, com certeza, foi “obra do demo”. É o demo que quer que o povo fique pobre (se bem que a tal Jakeline não é “pobre”, tem até pai rico), que não receba o dinheiro dos ímpios, como pregam muitos telepastores gospel. A Playboy e a Sexy são publicações dos "ímpios", então é justo que as “crentes” tirem o dinheiro dessas revistas. Por isso que a filha da Monique Evans posou nua, com total anuência da “mãe crente”.

Como destruir essa obra do demo, ou seja, como fazer a Playboy e/ou a Sexy se lembrar do corpitcho da “irmã” Jakeline e lhe pagar uma boa grana, ou em palavreado estelionatês-gospel: como transferir a riqueza dos "ímpios" para a crente quente? Ora, enchendo os peitos de silicone e propagandeando o “material”! Abaixo, a propaganda (aliás, de muito mau gosto):



Que pessoas que mal conhecem a Cristo façam isso, sem problemas. Mas, uma pessoa que diz ler a Bíblia e conhecer Sua Palavra??????
Que um dia disse renunciar ao mundo e amar a Deus sobre todas as coisas???

Esse é o resultado dos “apelos” forçados no final das pregações. A pessoa se emociona com os louvores preparados justamente para tal, depois se emociona com pregações de auto-ajuda e promessas de que “hoje é o dia do seu milagre”, aí levanta a mão, vai à frente e pimba!, virou salvo(a) em 5 minutos, e agora “tudo lhe é lícito” (porém não aprende que nem tudo lhe convém).

Fico imaginando o pastor dessa menina. Será que terá coragem de exortá-la como ela merece, segundo a Palavra de Deus? Ou será que achará tudo divino, já que terá 10% dos ganhos decorrentes da exposição da garota?

Pois é, a cada dia vemos que mais nos irmanamos com o mundo, e mais nos afastamos da vontade de Deus. Que a Jakeline e tantas outras deixem a ilusão do glamour, da fama, do dinheiro deste mundo, e se voltem para as verdadeiras riquezas, que estão no Reino dos Céus. E nós, como Igreja de Cristo, que não nos calemos para agradar aos do mundo, mas abramos nossas bocas para denunciar o pecado e a injustiça, e para proclamar a volta do Nosso Senhor Jesus Cristo.

Extraido de O Guarda de Israel, com informações de: A Estrangeira

Pegando o inicio deste texto, resolvi fazer uma paródia com a música Saudade de Tereza...

Jackeline era uma menina "crente"
Que vivia na Igreja
Gostava dos belos hinos de louvores
Frequentava com firmeza
Seus pais mantiam um estilo crente
Seguindo o Senhor
Mas num domingo ficou em casa
assistia o reality show

Jackeline então deixou de olhar pra Deus
E começou pensar em tudo
E a carne lutou contra o Espírito
Tornando o coração imundo
E levantando a voz pra sua mãe
Disse: Mãe eu vou me inscrever
Preciso de dinheiro, sou gostosa
Não irão me excluir

E as palavras da mãe não contrariavam
o querer do seu coração
Jackeline então partiu deixando sua Igreja
Sua Biblia e seus irmãos
Jamais imaginava que na frente
Seu destino era sensual
Pois foi decisivo abrir o espaço para ela
Só aparecer nesse canal

Jackeline pelas altas madrugadas
Apareceu no televisor
E cheia de sensualidade fazia
Altas poses sem temor
Então seu corpo estava redondado
Ela logo se notou
E já não era vista como queriam
Sua saida se anunciou

Depois de alguns dias englobados
Era hora de voltar
Jackeline despediu da Globo
Querendo chorar
Mas depois em sua casa
Fala de sua vida não ser um fracasso
E no final de tudo estava seu corpito
Bem visto no mundo siliconado

A fama e o dinheiro tomou conta
Do coração de Jackeline
Sua beleza foi pra's fotos com os seios
Que silicone fez aumentar
A luta pela fama foi façanha
Mas agora não teve jeito
Ficou no peito da crente Jackeline
Que jamais irá mudar
E hoje o que era aos olhos
Da imprensa a menina tola
Veja Jackeline nas fotos quase sem nada
Na sua casa e igreja não fica fora
Mas a Jackeline pelo preço que foi pago
Nesse mundo está exposta
E ficou claro que quem é "crente" misto
Não bandona o mal lá fora.