Evangélicos dizem não à união homoafetiva


Data: 11/05/2012 - ES - VIla Velha - Na Rua Silvio Baratella,  a fossa de um condomínio está cheia, e o esgoto corre para a rua, atingindo a Praia da Baleia, em Ponta da Fruta.  - Editoria: Cidades - Foto: leitora Sandra Regina Farias Fidalgo Pereira
Segundo pesquisa realizada pelo Instituto Futura, 42,7% dos evangélicos não aceitam esse tipo de relacionamento.

União Gay: Evangélicos dizem não

Segundo pesquisa, eles são os que mais se opõem à questão

Frederico Goulart
fgoulart@redegazeta.com.br


A posição contrária em relação à união entre homossexuais é mais latente entre os evangélicos no Estado. Segundo pesquisa realizada pelo Instituto Futura, 42,7% deles não aceitam esse tipo de relacionamento. O levantamento também mostra que 68,3% não é favorável à união civil gay e 49,3% são contra a adoção de criança por casais do mesmo sexo.

Esse números vão de encontro à tendência da maior parte da população do Estado, que nos últimos anos tem se posicionado de forma mais tolerante. Entre 2010 e 2012, os favoráveis à união homoafetiva pularam de 22,1% para 24,7%.

No aspecto religioso, a tolerância é significativamente maior entre os espíritas: 40% deles são favoráveis ao homossexualismo. Entre os evangélicos, apenas 29,1%. Já entre aqueles que dizem não ter nenhuma religião, o número chega a 35,7%.

Para o pastor Abílio Rodrigues, presidente da Associação de Pastores de Vitória, o posicionamento dos evangélicos reflete uma premissa básica da religião: pautar a conduta pela Bíblia. "Ela é muito clara em relação ao pecado da homossexualidade", diz. E completa: "se a constituição vai contra o que está escrito nela, ficamos com a Bíblia".

Abílio diz defender o Estado laico, mas acredita que seu rebanho tem o direito de defender seu pensamento diante dos legisladores e do judiciário. Sobre a adoção, o pastor justifica a posição contrária devido a possíveis influências que esse tipo de união pode exercer sobre as crianças. Mas ele ressalva: "Não somos homofóbicos. Não incitamos a violência".

Espírito sem sexo

A vice-presidente da Federação Estadual Espírita, Dalva Silva Souza, tem uma posição diferente. Ela explica que a doutrina de seu grupo religioso determina uma preponderância do espírito em relação ao corpo; e o espírito não tem sexo. "Dentro dessa perspectiva não se deve condenar ninguém pela escolha que faz", aponta.

Christovam Mendonça, coordenador do Fórum Estadual em Defesa dos Direitos e Cidadania LGBT, acredita que, independente da religião, a partir do momento que as pessoas se colocarem à disposição para discutir o assunto, tenderão a diminuir a rejeição. Para ele, a posição contrária está relacionada a uma visão patriarcal que ainda domina o debate do gênero em várias religiões.

"Quando perceberem os filhos das próprias igrejas seguindo essa orientação, haverá uma mudança. O mesmo aconteceu com os negros. Antes dizia-se que eles não tinham a divindade dos brancos. Hoje, isso já foi vencido".

A pesquisa da Futura também mostrou que nas classes D/E a rejeição é a maior: 30,5%. Os números também apontam que, quanto menor a escolaridade, maior é a intolerância a respeito dos gays.


O que diz a pesquisa


O que diz a pesquisa


Qual é o seu posicionamento sobre a relação homossexual?
Católicos
29,1% favorável
16,1% contrário
53,5% indiferente

Evangélicos
12,7% favorável
42,7% contrário
39,4% indiferente

Espíritas
40% favorável
10% contrário
7,1% indiferente

É a favor da lei que criminaliza a homofobia?
Católicos
66,9% sim
26,7% não 

Evangélicos
54,9% sim
37,3% não

Espíritas
70% sim
20% não

Apoia a União Civil aprovada no Supremo?
Católicos
59,3% sim
31,4% não

Evangélicos
25,4% sim
68,3% não

Espíritas
80% sim
20% não

Se não, por quê?
Católicos
25,9% a união é uma instituição entre um homem e uma mulher

Evangélicos
25,8% a igreja condena o homossexualismo

Espíritas
50% a igreja condena o homossexualismo

Pessoas do mesmo sexo podem adotar crianças?
Católicos
54,1% favorável
33,1% contrário

Evangélicos
31,7% favorável
49,3% contrário

Espíritas 
70% favorável
20% contrário

Se é contrário, por quê?
Católicos
33,3% a criança vai sofrer preconceitos na sociedade em que vive

Evangélicos
37,1% a criança vai sofrer preconceitos na sociedade em que vive

Espíritas
50% a criança vai sofrer preconceitos na sociedade em que vive

Na população em geral
Qual seu posicionamento sobre a relação homossexual?
24,7% favorável
25,4% contrário

É a favor da criminalização da homofobia?
63,3% sim
30,4% não 

Apoia o reconhecimento da união civil gay?
48,9% sim
41,95 não

É a favor de pessoas do mesmos sexo adotarem crianças?
47,95 sim
35,9% não

Opinião por faixa etária
De 20 a 29 anos
36,2% favorável
De 40 a 49 anos
37% contrário

Opinião por classes sociais
D/E
30,5% contrário

C
22% favorável

A/B
34,8% favorável

Opinião por escolaridade
Ensino superior
9,3% contrário
Ensino fundamental
32,8% contrário

Análise
 
"A Bíblia não tem força jurídica"

Em discussões como a união homoafetiva, a sociedade brasileira costuma ser bombardeada com o argumento de que o Estado é laico. Tradicionalmente, no mundo ocidental, a religião sempre esteve atrelada às ações políticas. No Brasil, por exemplo, apenas em 1977 a questão do divórcio foi regulamentada. A distância entre Estado e religião é prejudicada pois existe uma constante tensão entre uma sociedade marcadamente ideológica e religiosa e um Estado que se diz laico. O homem faz política marcado por sua visão religiosa, o que é grave. Hoje, essa distinção tem se restringido às cortes jurídicas. No congresso, há bancadas ligadas às igrejas que defendem que, acima da constituição, devem ser seguidos os preceitos da Bíblia. Quem age assim põe em risco os direitos dos cidadãos. A Bíblia não tem força jurídica. Falta, especialmente aos jovens, fortalecimento de visão constitucional. É a constituição que rege e organiza a sociedade. Caso contrário há risco de se perder a ética na gestão pública – o que se reflete no dia a dia das pessoas.

Caleb Salomão, professor de Direito Constitucional





Fonte: Jornal A Gazeta (Vitória-ES) 13/05/2012 - 21h18 - Atualizado em 13/05/2012 - 21h18 no Gazeta Online