Guardar o Sábado ou o Domingo: Eis a questão!


Muitos cristãos ainda vivem confusos quanto a guarda do Sábado ou do Domingo. Na minha opinião nem o sábado nem o domingo precisam ser observados como regra bíblica. Mesmo lendo sobre a guarda do sábado, devemos observar umas coisas... Isso não era e não é tão importante para o tempo da graça, no Novo Testamento. Mas porque? Vamos lá...

Tiago, em Atos 15, fez o seguinte discurso: "Pareceu bem ao Espírito Santo e a nós não impor a vocês nada além das seguintes exigências necessárias: Abster-se de comida sacrificada aos ídolos, do sangue, da carne de animais estrangulados e da imoralidade sexual. Vocês farão bem em evitar essas coisas. Que tudo lhes vá bem." (Vs 28 e 29). Isso é repetido em Atos 21:25.

Certo homem havia sido curado num dia de sábado e foi contar aos judeus que fora Jesus quem o tinha curado. João descreve, dizendo: "Então os judeus passaram a perseguir Jesus, porque ele estava fazendo essas coisas no sábado. Disse-lhes Jesus: 'Meu Pai continua trabalhando até hoje, e eu também estou trabalhando'. Por essa razão, os judeus mais ainda queriam matá-lo, pois não somente estava violando o sábado, mas também estava até mesmo dizendo que Deus era seu próprio Pai, igualando-se a Deus" (João 5:15-18). Veja que estamos lendo que o próprio Jesus quebrantou o sábado.

Parece que o apóstolo Paulo foi questionado a respeito de algo sobre a questão de dias sagrados. Ele diz: "Há quem considere um dia mais sagrado que outro; há quem considere iguais todos os dias. Cada um deve estar plenamente convicto em sua própria mente. Aquele que considera um dia como especial, para o Senhor assim o faz..." (Romanos 14:5-6). Vejamos que Paulo não cita um dia específico, e é ai que eu entendo que somos livres para guardar o dia que quisermos, contanto que façamos para o Senhor, mas também que "cada um esteja inteiramente seguro em sua própria mente".

Penso que foi com essa convicção, estando inteiramente seguro em sua própria mente, foi que Paulo disse aos cristãos colossenses que Cristo, "havendo riscado a cédula que era contra nós nas suas ordenanças, a qual de alguma maneira nos era contrária, e a tirou do meio de nós, cravando-a na cruz... Portanto, ninguém vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa dos dias de festa, ou da lua nova, ou dos sábados, que são sombras das coisas futuras, mas o corpo é de Cristo" (Colossenses 2:14-17).

Paulo disse aos gálatas: "Antes, quando vocês não conheciam a Deus, eram escravos daqueles que, por natureza, não são deuses. Mas agora, conhecendo a Deus, ou melhor, sendo por ele conhecidos, como é que estão voltando àqueles mesmos princípios elementares, fracos e sem poder? Querem ser escravizados por eles outra vez? Vocês estão observando dias especiais, meses, ocasiões específicas e anos! Temo que os meus esforços por vocês tenham sido inúteis." (Gálatas 4:8-11).

Sobre a guarda do domingo, vejo isso não como um mandamento bíblico, mas como uma regra inventada pela Igreja Católica e que foi adotada por igrejas protestantes que tiveram a mesma interpretação. Creio, particularmente, que o fato de Jesus ter ressuscitado num domingo, não o torna um dia sagrado para ser guardado pelos cristãos. Se assim fosse, deveríamos guardar todas as quintas-feiras pelo fato de Jesus morrer no quinto dia da semana. Da mesma forma, o fato de Paulo ter se reunido em alguns primeiros dias da semana para dar a Ceia e fazer outros cultos, não nos dá respaldo para que o guardemos como um dia santo. 

Esse é o meu pensamento sobre guardar o sábado ou o domingo. E estando eu inteiramente seguro em minha própria mente, ao ler o versículo 7 de  Hebreus capítulo 4, concluo que Deus estabeleceu um outro determinado dia para observarmos, e esse dia chama-se "HOJE".

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por visitar meu blog!