Igreja Evangélica do Estado do Espírito Santo tenta alugar a boate Kiss em Santa Maria

Foto: Estadão

Igreja do Estado tenta alugar a boate incendiada em Santa Maria

Como não conseguiu o espaço da Kiss, a Missão Praia da Costa procura imóvel próximo ao local.

A igreja Missão queria alugar a própria boate, mas o espaço está interditado.

A Missão Praia da Costa, em Vila Velha, vai alugar um espaço na cidade de Santa Maria, no Rio Grande do Sul, em um local próximo da Boate Kiss, onde 239 jovens morreram em um incêndio, em janeiro. Membros da igreja serão enviados para o local para consolar as famílias das vítimas e também evangelizar os jovens da cidade. 

O pastor da Missão, Simonton Araújo, explica que a ideia inicial era alugar ou arrendar a própria boate, mas, como o local está interditado, a igreja vai alugar um prédio comercial de dois andares no mesmo quarteirão.

“Não queremos ficar só orando à distância. Queremos ajudar a juventude e toda a cidade na prática. A intenção é transformar o espaço em um gerador de vida e esperança. O objetivo é oferecer atividades e mostrar aos jovens que é possível ser feliz sem drogas e alcoolismo”, explica o pastor. 

Simonton Araújo: "Não queremos ficar só orando à distância. Queremos ajudar a juventude e toda a cidade na prática"
Segundo Araújo, o objetivo não é “concorrer” com igrejas da cidade. “Queremos ajudar no que for possível. Uma das prioridades da Missão é atuar em locais de conflito. Ajudamos a construir mais de 30 igrejas locais no Haiti e também fomos para o Japão após o terremoto”, destaca. 

O pastor Martinho Lutero de Oliveira, 39 anos, e a esposa, Kátia, 44, que é médica, vão viajar na próxima segunda-feira para começar a arrumar o espaço, que deverá ser inaugurado em março. O casal vai mudar-se para Santa Maria e deve receber caravanas de jovens capixabas.

“Nosso desejo é apresentar o Evangelho na linguagem dos jovens, promover cultos e eventos alegres, além de cursos voltados para a família”, adianta o pastor Lutero.

O incêndio na Boate Kiss ocorreu na madrugada de 27 de janeiro, durante uma festa de universitários. Um músico da banda que se apresentava no local acendeu um tipo de fogo de artifício, que deu origem a chamas. Estas alastraram-se pela espuma do teto. Cerca de 50 pessoas continuam internadas em função dos ferimentos e da intoxicação causada pela fumaça.

Fonte: A Gazeta