Polícia investiga se morte de adolescente tem relação com seita satânica em Guarapari


TV Vitória
Reprodução TV Vitória

Foi enterrado na manhã desta terça-feira (30), o adolescente de 16 anos que foi encontrado morto dentro de casa em Guarapari. Os pais desconfiam que Allan Neves Brandini tenha feito um pacto de morte na internet.
O pai chorou só de lembrar a cena que encontrou em casa ao retornar da igreja acompanhado da mulher. “Naquele momento, tentando reavivá-lo, pedindo em oração: ‘Senhor, ressuscita meu filho’. A dor era tremenda. Eu tocava os pulsos dele e ele estava gelado. O impacto estrangulou ele, provavelmente ele tinha quebrado o pescoço”, disse o técnico em instrumentação Alexsandro Brandini.
Segundo os pais, Allan havia trocado a escola pelo vício em internet. Mãe e pai suspeitam que o filho tenha se enforcado depois de seguir uma seita satânica. “Ele começou a acessar a internet e no começo ele estava normal. Depois, começou se aliar aos emos e a se vestir de preto. Até então, eu achei que era coisa passageira, mas ele foi se aliando a coisa pior, aos góticos, que é uma seita satânica. De lá para cá ele já começou a ficar diferente, agressivo, a gente não podia falar nada com ele. Ele me agredia, me ameaçava de morte. Chamei ele e ficamos um tempão conversando. Falei de Deus para ele e disse que tinha uma solução ainda. Ele tinha feito um pacto com o diabo. Eu falei que ele era jovem, que tinha muita vida pela frente e ele disse que não chegaria aos 17 anos. Não passava pela minha cabeça que ele estava com o intuito de fazer aquilo naquele dia”, contou a diarista Beatriz Neves.
 A mãe lembra que os mesmos amigos que podem ter influenciado na decisão de Allan, sequer compareceram ao velório dele. “Espero que outros pais fiquem mais atentos ao que seus filhos fazem na internet porque tudo foi por causa das pessoas com que ele conviveu e que hoje, no mínimo, estão rindo ou zombando”, alertou Beatriz.
Pelo menos dois delegados devem investigar se, de fato, a morte de Allan está relacionada à seita satânica. Os pais do jovem se mostraram dispostos a colaborar com o trabalho da polícia. “Todos os equipamentos, o notebook que me pertence onde constam as senhas e todo tipo de acesso no perfil dele no Facebook e todas as pessoas que ali estão mencionadas. Estou pronto para oferecer à polícia de crimes virtuais tudo isso, inclusive o celular”, garantiu Alexsandro.
A mãe disse que a tragédia poderia ter sido evitada e lamenta não ter tido tempo para dizer ao filho mais velho o que sentia por ele. “Deixei de dizer que o amava muito. A gente nunca imagina o que ele iria fazer. Como ele estava muito atormentado, não tive tempo de abraçá-lo, nem de dizer que eu o amava”, lamentou Beatriz.
A morte está sendo investigada pela Delegacia de Crimes Contra a Vida de Guarapari e até o momento não há novidades sobre o caso.
Fonte: Folha Vitória

Seita satânica: jovem se enforca em Guarapari, Espírito Santo



Uma tragédia abalou uma família no último domingo (28) em Guarapari. O jovem Allan Neves Brandini, 16 anos, se enforcou dentro de casa, após os pais saírem para a igreja. De acordo com o jornal A Tribuna, quem encontrou o corpo do filho – que estava amarrado no puxador da janela – foi sua mãe, Beatriz Dias Neves. Ela tinha acabado de chegar da igreja e assim que viu o corpo do filho,  gritou pelo pai do adolescente, Alessandro Brandini, que  desamarrou o filho e tentou ainda uma massagem cardíaca, mas era tarde demais.
Allan era viciado em internet.
Allan era viciado em internet. Foto: Arquivo pessoal.
Internet. De acordo com os pais, o filho estava bastante agressivo. Ele teria mudado de comportamento assim que o pai dele colocou internet em casa para estudar. “Com o passar do tempo, tornou-se agressivo nas palavras e nas ações. Ele até nos agredia”, disse mãe do adolescente.
Ainda de acordo com ela, o filho estudava tudo sobre o diabo e estaria participando de uma seita satânica. “Uma vez ele me chamou para ver os 10 mandamentos de Deus e os 10 mandamentos do diabo. Ele queria colocar na minha cabeça que o diabo não era ruim e que Deus não existia”, explicou ela, dizendo ainda que os amigos virtuais do jovem ficavam blasfemando contra Deus.
Pacto com o diabo. Os pais do garoto – que se intitulava, Anjo Caído ( diabo), em sua página numa rede social- disseram ainda que Allan, afirmou ter feito um pacto com o diabo e que não chegaria a completar 18 anos. Mas no último domingo, afirmou que não chegaria nem mesmo  aos 17 anos, que seriam completados no dia 20 de outubro. “Mãe tá chegando a minha hora”, teria dito ele.
546423_192764220864912_259927297_n
“Mãe tá chegando a minha hora” Foto:Arquivo Virtual.
O pai do adolescente, bastante abalado disse que a internet é uma coisa diabólica. “A internet é um inimigo oculto”, afirmou. Mas, não deixou de alertar outros pais.”Mesmo assim, pais, nunca desistam de seus filhos. Sejam sempre vigilantes”, falou.
Seita. De acordo com A Tribuna, a polícia vai investigar a possível ligação de Allan, com uma seita satânica virtual. Dois delegados da policial civil estão no caso. A delegacia de crimes contra a vida também vai instaurar inquérito para investigar a morte do garoto. Está no caso também a delegacia de repressão aos crimes eletrônicos.  “Iremos verificar com quem ele falou, se alguém instigou esse crime”, explicou o delegado Leandro Piquet.
Com informações do jornal A tribuna.

Parte dos capixabas desconfia cada vez mais nas instituições religiosas


Pesquisa revela que população capixaba confia cada vez menos nas instituições religiosas.

Entre 2010 e 2012, aumentou o número de pessoas que não acreditam nas igrejas

Em tempos de mudanças nas igrejas, uma pesquisa realizada no Estado pelo Instituto Futura revela que a população capixaba confia cada vez menos nas instituições religiosas. Entre 2010 e 2012, o número de pessoas que disseram não acreditar nas igrejas aumentou de 39,7% para 46,3%.

Já entre os que creem, o percentual caiu de 58,8%, em 2010, para 51,3%, em 2012. O levantamento avaliou o nível de confiança das pessoas nas instituições, sejam elas do âmbito privado ou público. O Corpo de Bombeiros lidera a lista com 91,5 de credibilidade. Na sequência vêm Procon (68,8%), organizações de proteção ao meio ambiente (64,8%) e Polícia Federal (60,5%). Em último aparecem os partidos políticos, com 6,3%.

Na avaliação do teólogo e especialista em Religião de A GAZETA, Vítor Nunes Rosa, vários fatores conduzem ao desgaste dos grupos religiosos. “As instituições representam valores absolutos aos quais as pessoas não estão se apegando mais”, diz. Ele aponta também que esse questionamento se dá principalmente entre pessoas com maior grau de escolaridade. Mas também há fatores relacionados diretamente à atuação das igrejas que ajudam na queda de credibilidade. “Denúncias de corrupção, desvio de dinheiro e pedofilia causam desgaste”, alerta.

A mercantilização da fé é outra das razões. “A visão pragmática de certas religiões tem levado as pessoas à descrença”, observa. Rosa também aponta outra importante mudança no ponto de vista das pessoas: “Antes os mau-feitos eram avaliados de forma individual, e as instituições eram preservadas. Isso também”.

A visão negativa, segundo Rosa, está relacionada ao trabalho de denúncia mais intenso feito por segmentos sociais, entre eles a imprensa. “Os indicadores são fundamentais sobretudo para igrejas históricas, para que elas repensem seu papel social. É momento de reavaliação”, diz. A pesquisa ouviu 400 pessoas em Vitória, Vila Velha, Cariacica e Serra.

Quem confia

Bombeiros 2010: 84,91% 2012: 91,5%

Procon 2010: 60,8% 2012: 68,8%

Organizações de proteção ao meio-ambiente 2010: 58,1% 2012: 64,8%

Polícia Federal 2010: 54,8% 2012: 60,5%

Instituições religiosas 2010: 58,8% 2012: 51,3%

Ministério Público 2010: 45,7% 2012: 51,0%

Mídia 2010: 41,7% 2012: 44,0%

Polícias 2010: 40,0% 2012: 60,0%

Governos 2010: 37,0% 2012: 35,8%

Justiça 2010: 27,8% 2012: 32,0%

Sindicatos 2010: 24,8% 2012: 30,5%

Assembleia Legislativa 2010: 17,1% 2012: 14,3%

Câmara de Vereadores 2010: 14,9% 2012: 11,3%

Partidos políticos 2010: 9,2% 2012: 6,3%

Quem não confia 

Bombeiros 2010: 14,4% 2012: 7,5%

Procon 2010: 36,5% 2012: 26,5%

Organizações de proteção ao meio-ambiente 2010: 39,2% 2012: 34,8%

Polícia Federal 2010: 42,9% 2012: 38,5%

Instituições religiosas 2010: 39,7% 2012: 46,3%

Ministério Público 2010: 50,4% 2012: 45,8%

Mídia 2010: 57,1% 2012: 55,5%

Polícias 2010: 61,5% 2012: 59,8%

Governos 2010: 61,0% 2012 63,5%

Justiça 2010: 70,5% 2012: 67,3%

Sindicatos 2010: 72,5% 2012: 68,8%

Assembleia Legislativa 2010: 80,4% 2012: 83,5%

Câmara de Vereadores 2010: 82,4% 2012: 86,5%

Partidos políticos 2010: 89,1% 2012: 93,5%

Instituições Religiosas

50% dos moradores da Serra não confiam na igreja. É o maior percentual da Grande Vitória Os que mais confiam (55,4%) moram em Cariacica

64,1% dos que mais confiam têm entre 50 e 59 anos

A maior parte dos que não confiam (53,8%) está entre 30 e 39 anos

53,4% dos que confiam têm apenas o nível fundamental

49,2% dos que não confiam têm o ensino superior

Fonte: A Gazeta